Como você deve contratar para inovar e escalar o seu negócio

Avatar

Por Vinicius David

27 de fevereiro de 2018 às 07:56 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O CEO do Facebook Mark Zuckerberg gasta até 50% do seu tempo recrutando talentos para o grupo, assim como muitos outros grandes líderes que acreditam que o papel mais importante que eles detém dentro da organização é o de contratar os melhores talentos para apoiar o crescimento do business. Grandes conquistas, inovações, disrupção, crescimento massivo e resultados que times alcançam (no mundo esportivo como Patriots e Barcelona FC ou corporações, startups e ONGs), acontecem predominantemente através de equipes de alto desempenho.

Os responsáveis por formar equipes vencedoras, ao contratar novos membros, levam em conta três fatores: adaptabilidade à cultura organizacional, viés de ação para excelência na execução e pessoas dotadas de visão ambiciosa e inspiradora. Discutiremos em detalhes esses três fatores para que, seja qual for o seguimento empresarial de sua atuação, você contrate novos colaboradores de acordo com essa estratégia e forme seu time com parceiros que impulsionarão sua organização a resultados extraordinários.

Ajuste à cultura organizacional 

Trabalhar em uma nova empresa pode significar um relacionamento de longo prazo com um amplo grupo de pessoas. Garantir que as mesmas se encaixem e sejam capazes de melhorar a cultura da organização, deve ser o objetivo número um que você deve ter em mente ao contratar. O “teste de vôo” ilustra bem como isso deve acontecer. Imagine-se embarcando em um voo de São Paulo para Tóquio e tendo que conviver com um passageiro a seu lado por 24 horas. Duas coisas podem acontecer ao final desta jornada: uma vontade espontânea de seguir em contato com aquela pessoa, ou um desejo enorme de se livrar dela o mais rápido possível, tamanha a decepção com seus princípios, valores e pobreza de ideias. Aplique sempre este teste no processo de seleção para saber como candidatos agem fora do ambiente de trabalho, que pode ser feito convidando futuros colaboradores para almoços informais, happy-hours, meetings com outras organizações dentro da empresa ou, como fazia Steves Jobs, levá-los para longas caminhadas. Tudo para que a pessoa possa ser avaliada em diversas dimensões quanto a suas habilidades, inteligência emocional e capacidade de cooperar sinergeticamente com o time.

Por outro lado, assumindo que as pessoas gastam em média 80% de seu tempo no trabalho com seus pares, subordinados, clientes e parceiros, e apenas de 10 a 20% do tempo com seus chefes, estes devem criar mecanismos que viabilizem a participação do time no processo de contratação. Esta já é uma prática comum nas empresas pioneiras em inovação e que leva à criação de forte espírito colaborativo entre os membros do time e, consequentemente, a melhores resultados. É preciso romper as barreiras hierárquicas antigas de controle e fazer com que as decisões de contratação sejam amplamente compartilhadas com a equipe, com o comitê de cultura e, literalmente, remover dos chefes o poder absoluto do processo de decisão. Eles muitas vezes tendem a buscar aqueles que pensam e agem como eles, os famosos “minis eus”, esquecendo-se de que o objetivo principal é contratar pessoas alinhadas com a cultura da empresa.

A Zappos, do grupo Amazon, que está entre as 100 melhores empresas para se trabalhar, segundo a lista da Fortune, leva o tema tão a sério que chega a oferecer aos seus funcionários de atendimento ao cliente U$ 3.000,00 para que eles voluntariamente deixem a empresa depois de uma semana de trabalho apenas, caso não se alinhem à cultura da companhia.

Outro aspecto importante para se observar no processo de contratar é o respeito à diversidade. A maioria das equipes que têm um maior percentual de mulheres, membros da comunidade LGBT, representantes de vários países e origens, adeptos de diferentes  religiões  têm níveis mais elevados de engajamento e, naturalmente, criam um maior senso de comunidade, camaradagem e inclusão. A pesquisa da McKinsey & Company realizada com 366 empresas públicas, mostrou que as com maior diversidade  racial e étnica eram 35% mais propensas a ter retorno financeiro acima da média.

Por último, você não tem que amar seus companheiros de equipe, mas precisa respeitar quem eles são, seus legados e seu potencial para desenvolver sua instituição e escalar o negócio. Selecione somente aqueles que vão se adaptar à cultura de sua empresa e que a levarão para um patamar mais elevado.  Esse deve ser o mais importante fator no processo decisório de seleção e de investimento em novos talentos.

Excelência na Execução

Alugue pensadores, mas sempre contrate aqueles que fazem a coisa acontecer (aqui designados por “fazedores”). Esse deve ser seu mantra para orientar uma nova contratação, após identificar o alinhamento do candidato com a cultura de sua empresa. Equipes têm que entregar resultados e aquelas com índices de produtividade superiores são formadas por “atletas” que sempre cruzam a linha de chegada com excelente desempenho individual e coletivo. Os” fazedores” são pessoas   que acreditam estar sempre em constante desenvolvimento ou em “Beta permanente” ( termo oriundo da linguagem do mundo de software e produto, em que os designados  “beta”, são os que se encontram ainda em fase de desenvolvimento e teste).

Os Betas veem os desafios e as falhas como um meio para o desenvolvimento, o que a Dra. Carol Dweck chama de mentalidade (mindset) de crescimento, ao contrário de outros que têm uma mentalidade petrificada, por acreditarem que seu desenvolvimento já está completo e que  já são suficientemente bons no que fazem. Esses indivíduos normalmente apresentam um desempenho apenas regular em sua atividade profissional.

Outra característica importante dos fazedores é a presença da garra em qualquer momento de suas vidas. São pessoas cujo DNA é codificado com a crença de que o esforço é mais importante do que qualquer outra coisa para se atingir grandes resultados. De acordo com Dra. Angela Duckworth, equipes cujos membros têm garra atingem um desempenho mais alto, por mostrarem mais determinação  e disciplina na realização de metas de longo prazo.

Pessoas que desempenham atividades extracurriculares geralmente demonstram mais garra em sua atividade profissional. Não é raro observar empresas de ponta contratando ex-atletas ou pessoas fanáticas pela prática de esportes. Corredores, alpinistas, triatletas, devido a uma intensa rotina de treinamento, lidam melhor com stress, mostram maior resiliência e tem aquele mindset de cair e levantar até que se ganhe o jogo e o campeonato.

Uma outra forma de se identificar candidatos com a disciplina necessária para a execução de um negócio é buscá-los em organizações com um histórico comprovado de alto desempenho e viés para a ação. O espaço militar é de longe um dos melhores para se recrutar bons colaboradores, como pude observar em minha experiência pessoal.

Veteranos de carreira militar com cursos de MBA têm demonstrado singulares aptidões para se transformar em eficientes profissionais com incrível nível de excelência na execução. Seus treinamentos e experiências particulares lhes permitem acumular um nível de disciplina, garra, lealdade e foco que os capacitam para ter alta performance nos negócios. No ano passado, a Amazon anunciou que planeja contratar 25.000 veteranos militares durante os próximos cinco anos e o ex-presidente Americano, Barack Obama, disse uma vez: “se você quer fazer as coisas acontecerem, deveria contratar um veterano militar”.

Paixão e energia também são excelentes indicadores de profissionais com superior capacidade de execução. Quando as pessoas amam o que fazem, você as verá em “Flow”.  Suas atitudes cativam outras pessoas  e induzem  os demais a sempre desafiar o status quo. Um candidato demonstra possuir energia e paixão não só no exercício de sua atividade profissional, mas também quando fala com entusiasmo e orgulho sobre suas realizações fora do mundo do trabalho.

Por último, os “top players” odeiam mau desempenho e não toleram os jogadores de segunda linha, pois eles desqualificam o desempenho da equipe e ninguém quer jogar em time que não está capacitado para vencer. Tenha instrumentos eficientes para blindar  sua equipe da influência, sempre negativa, das pessoas que se contentam com performances medíocres.

Visão ambiciosa e inspiradora

O sonho e o propósito de sua organização é o que vai fazer com que as pessoas se apaixonem por sua causa. Escrevi a essência deste artigo em uma aldeia remota da Tanzânia, África, fazendo parte de um grupo de voluntários que foram apoiar a ONG  Karimu a reconstruir uma escola e desenvolver a qualidade de vida da comunidade local. Fui convidado, primeiramente, a levantar fundos para a realização do projeto, mas a minha paixão imediata pelo sonho dos idealizadores da causa, levou-me também a, literalmente, botar as mãos na massa para concretizar  a obra e,  junto com os habitantes locais, fazer o empreendimento acontecer. Ou seja, a visão da Karimu se alinhou à minha de melhorar a educação no mundo, o que me motivou a ir além do que me fora pedido.

Razão similar faz com que pessoas bem-sucedidas larguem tudo e se juntem a pequenas startups que nem sequer receita possuem, pois o objetivo é a construção e a realização de um sonho maior. Não contrate uma pessoa sem antes saber seu propósito de vida. Se ele não é claro, você terá em seu ambiente alguém que não sabe aonde quer chegar e, portanto, será incapaz de, com disciplina e foco, imprimir um forte ritmo de trabalho para obter resultados até no curto prazo.

Aqueles que têm uma visão inspiradora mudam o mundo, ao atrair os melhores talentos e fomentar um ciclo virtuoso de alta performance, estejam eles em uma grande corporação, startup ou empresa sem fins lucrativos. Equipes de alto desempenho são chaves para a criação de processos de inovação sustentável, que levarão organizações a experimentar resultados excepcionais por anos e anos.

A tarefa mais importante de um líder é a produção de outros líderes. Esse processo se inicia no momento da seleção dos novos talentos para compor os times de alta performance. Esses times são formados por pessoas apaixonadas por vencer através da excelência na execução, inspirados pela cultura da organização e impulsionados pela crença de que, na empresa, estão também construindo o seu legado de vida.

Quais são as características de uma equipe de alta performance? Por favor, compartilhe suas ideias na seção de comentários abaixo. Eu também quero aprender com você.