Co-fundador da Grow+ discute como startups e tecnologia impactam na saúde

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

10 de março de 2018 às 13:06 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Cristiano Englert participou da HealthTech Conference que está acontecendo nesse sábado (10), discutindo como a tecnologia e as startups estão impactando na saúde no Brasil e no mundo. Englert é médico anestesiologista e co-fundador da Grow+, uma aceleradora de startups “premium” que investe em startups com maturidade.

O médico participa principalmente da vertical HealthPlus, programa específico para startups de saúde e, para ele, a tecnologia tem um papel fundamental para revolucionar este mercado. Como exemplo, Englert citou o projeto do Google que testa algoritmos para reconhecer doenças através de imagens e realizar um diagnóstico mais rápido que os médicos. “Poderemos identificar doenças através da retina do olho. Você terá seu smartphone e ele detectará sua doença genética”, afirmou.

Das tecnologias que estão sendo trabalhadas, a inteligência artificial e algoritmos são duas das mais promissoras para o médico anestesiologista. “Gosto muito do conceito de inteligência artificial e já começamos a utilizá-lo junto com algoritmos no dia a dia. A Netflix e Waze trazem indicações do que assistir e do caminho a ser seguido de acordo com algoritmos”, comentou.

Para ele, os médicos estão abertos a estas novidades – “eles querem atrair essas ferramentas digitais, porque realmente pode melhorar a atuação da saúde”. Um exemplo citado é que 80% dos hospitais já estão utilizando prontuários médicos eletrônicos para diminuir o tempo e aumentar a produtividade, segundo o Harvard Business Review.

Mas não são apenas as grandes corporações ou gigantes do Vale do Silício como o Google que estão impactando na saúde: as startups estão desempenhando um papel fundamental neste processo. “O médico hoje tem que olhar mil vezes o raio X para ter certeza do diagnóstico. Hoje, startups como a Enlitic conseguem avaliar raio X mais rápido que o médico”, afirmou o médico anestesiologista.

Conheça as startups citadas por Cristiano Englert:

Flatiron

A startup foi criada em 2012 e adquirida pela Roche por 1,9 bilhões. A healthtech atua trazendo dados reais e em tempo real de pacientes com câncer para melhorar a pesquisa de oncologia no mundo.

Proteus

A Proteus traz comprimidos com sensores, trazendo informações reais do consumo de remédios pelo paciente, trazendo informações em tempo real aos médicos. “O médico sabe exatamente qual remédio o paciente tomou e quando, recebendo informações no smartphone que mapeia a tendência do paciente”, comentou o empreendedor.

Oscar Health

A Oscar Health traz planos de saúde inovadores para famílias e empresas. A startup traz consultores que ajudam os pacientes a encontrarem os melhores médicos disponíveis, conectam o paciente com médicos através de ligações gratuitas e ainda traz um sistema de gratificação. A gratificação é através de um rastreamento de passos e corridas em que os usuários ganham US$ 1 dólar a cada objetivo atingido, transformados em um cartão presente da Amazon.

MedRoom

Acelerada pela Grow+, a MedRoom utiliza a realidade virtual e gamificação para treinamentos de estudantes e médicos em aulas de medicina, diminuindo custos. A startup simula um ambiente real para que o usuário desenvolva suas habilidades através de uma imersão total, revolucionando o aprendizado inclusive em salas de aula.

[php snippet=5]