Cinco motivos para abrir um negócio em tempos de crise

Avatar

Por Juliana Américo

23 de setembro de 2015 às 09:49 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

SÃO PAULO – A economia brasileira não está em sua melhor fase e o cenário é de incertezas. Mesmo assim, muitas pessoas estão aproveitando o momento para empreender.

De acordo com dados do Serasa Experian, 800 mil empresas foram abertas no Brasil entre janeiro e maio deste ano. O número é 69% maior ao verificado em 2010, quando foram criadas aproximadamente 575 mil empresas no mesmo período.

Além disso, de julho de 2011 a julho de 2015, houve um salto de 10,5% no número de profissionais que trabalham por conta própria, de acordo com dados do IBGE. Atualmente, o País tem 4,3 milhões de trabalhadores autônomos, que representam 19,3% da população ocupada.

O empreendedor e fundador da Contabilizei, Vitor Torres, listou cinco motivos para esquecer a crise e abrir seu próprio negócio mesmo em momentos difíceis. Confira:

1- Segurança social: abrir um negócio próprio requer disposição para o risco, mas isso não significa que o empresário estará desprotegido. De início, cabe entender qual modalidade de empresa se adequa melhor a sua necessidade. Além do Microempreendedor Individual, para empresas com rendimentos de até R$ 60 mil por ano, há ainda a EIRELI e a LTDA. “Seu consultor contábil é o profissional ideal para orientá-lo na melhor decisão”, explica. “Também é preciso pensar na aposentadoria e na contribuição mínima de INSS”.

2- Condições de crescimento: Após todo movimento de crise se segue um ciclo de crescimento vertiginoso e essa é a hora de armar o negócio para quando a maré vir a seu favor. É durante o período de crise que o empreendedor tem que levantar as bases do seu negócio, para ter as condições de usufruir do crescimento quando ele vier.

3- Mercados aquecidos: durante a crise, alguns mercados continuam bem aquecidos, como é o caso do setor de serviços. Hoje, ele é responsável por 75% dos empregos formais no país e representa mais de 60% do PIB nacional, de acordo com o Serasa Experian. Portanto, é estratégico oferecer serviços que acompanham as atuais necessidades do mercado, especialmente com vista a atender as grandes empresas que procuram alternativas viáveis para reduzirem seus custos.

4- Corte de vagas: os últimos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do IBGE, apontam para 8,15 milhões de desempregados no trimestre que se encerrou em maio. Além disso, a taxa de desemprego do período subiu para 8,1%. “Uma leitura destes dados é que arriscado seria deixar de empreender para manter uma posição dentro de uma empresa”, afirma Torres.

5- Fim da burocracia: em fevereiro, a presidente Dilma Rousseff assinou o decreto de lançamento do programa “Bem Mais Simples”, um pacote de medidas que visa aliviar parte da burocracia na abertura de micro e pequenas empresas. Além disso, recentemente a Receita Federal anunciou a criação de um sistema para facilitar a abertura, regularização e até fechamento das empresas. Serviços de contabilidade online também podem ser uma alternativa para agilizar todo o processamento e fluxo contábil para novos negócios.