Carlos Ghosn nega acusações em nova audiência em Tóquio

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

8 de janeiro de 2019 às 11:53 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan, falou publicamente pela segunda vez após a prisão e acusações de fraude. Em uma audiência em Tóquio nesta terça-feira (8), ele afirmou que havia sido “acusado de maneira errônea e injustamente detido”, segundo o Wall Street Journal.

Ele também afirmou ter agido de maneira “honorável, legal e com o conhecimento e aprovação dos executivos apropriados dentro da empresa”.

Ghosn foi acusado de sonegação fiscal e de ter trazido para a empresa US$ 16,6 milhões de débitos obtidos em investimentos pessoais. Ele está há quase dois meses preso em Tóquio.

O executivo afirma não ter recebido nenhum valor não-divulgado pela empresa. No entanto, uma das acusações contra ele é de que, entre 2009 e 2012, a Nissan teria depositado US$ 14,7 milhões em uma conta bancária relacionada ao executivo.

O juiz Yuichi Tada é quem está julgando o caso de Ghosn no país. Mais de mil pessoas compareceram na audiência desta terça-feira na intenção de assisti-la, para as 14 vagas disponíveis.

A ascensão e o declínio

Carlos Ghosn, franco-brasileiro de 64 anos, tem como um de seus maiores feitos a trajetória na Nissan. Ele é considerado como uma das pessoas que tirou a Nissan da falência.

Além disso, ele também é presidente-executivo da Renault, como resultado da parceria societária que realizou entre as duas empresas. Veja a trajetória do empreendedor e mais detalhes sobre o caso.