Brasil terá 16 milhões de pessoas afetadas pela automatização, mostra McKinsey

Avatar

Por Elena Costa

23 de janeiro de 2018 às 09:00 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Brasil terá 15,7 milhões de cidadãos afetados pela automatização no mercado de trabalho, segundo pesquisa da consultoria McKinsey. Já o Fórum Econômico Mundial (WEF) prevê que 7,1 milhões de empregos, com destaque para aqueles relacionados a funções administrações e industriais, serão afetados com a automação.

Um dos motivos citados sobre essa transformação não é somente por causa da tecnologia, mas pela liberação dos profissionais de tarefas monótonas e repetitivas e permitem os mesmo a se dedicarem as suas qualidades como a criatividade, por exemplo. “A boa notícia é que fica claro que os trabalhos para humanos terão que envolver qualidades humanas, como criatividade”, afirma José Manuel Salazar-Xirinachs, diretor regional da OIT para a América Latina e Caribe.

O WEF também prevê que com essas transformações haverá um aumento nos seguintes setores: arquitetura, engenharia, computação e matemática, mas alerta que eles não serão suficientes para absorver quem perdeu o emprego. Além disso, a OIT afirma que este cenário aumentará a desigualdade já que extingue aqueles empregos de baixa qualificação e cresce aqueles que pedem muita qualificação.

[php snippet=5]

“Um caminho para contornar o problema é treinar a força de trabalho para que aqueles de menor qualificação profissional não fiquem para trás”, completa o diretor da OIT. Ele destaca o trabalho do SENAI na preparação de profissionais para a indústria, antes que eles fiquem “obsoletos”. O Brasil

Mas outra preocupação são as relações de trabalho, já que cresce a terceirização nas empresas que com isso buscam cortar gastos ao máximo com funcionários fixos. Isso também é visto pelo aumento no número de trabalhadores independentes/informais. O Brasil, um país que mal lidou com as questões antigas do assunto ainda deve lidar com as novas ao mesmo tempo que para o diretor da OIT, Salazar-Xirinachs, “É preciso estender a cobertura da legislação ao ‘velho’ e ao ‘novo’ mercado”, destaca.

Se preparar para o futuro é essencial para não ser pego no contrapé dessas mudanças e sofrer com isso. A Nova Economia está chegando, e com ela é necessário realizar mudanças. Reunimos as mentes mais brilhantes do Brasil para debater os pontos fundamentais que vão impactar seus negócios e sua carreira no evento 2018: A Revolução da Nova Economia. Confira a programação e não deixe de ir! Nos vemos lá!

(Via Folha de São Paulo)