Brasil diminui crescimento, mas é País que mais cria empresas: 1,86 milhão

Liderança?no crescimento?ficou com a China, que cresceu 98% de 2010 para o ano passado

Avatar

Por Paula Zogbi

1 de dezembro de 2015 às 14:41 - Atualizado há 4 anos

A complexidade da teia de leis trabalhistas e fiscais que a abertura de uma empresa no brasil envolve fez com que o país caísse da primeira colocação para a décima em criação de novas empresas, de acordo com um estudo da UHY, rede internacional de firmas de auditoria, contabilidade e consultoria, representada no Brasil pela UHY Moreira-Auditores.

Com análise de 22 países, a pesquisa mostra a China como campeã no crescimento do número em criação de novas empresas, com um total de 1.609.700 no ano passado, crescimento de 98% frente às 811.100 em 2010. No Brasil, o total foi de 1.528.248, ante 1.865.183 em 2010, crescimento de apenas 22%.

O segundo colocado foi o Reino Unido, que criou 51% mais empresas em 2014 do que em 2010, foi o Reino Unido, com 581.173 novos negócios criados, ante 385.741 da pesquisa anterior. Com aumento de 46%, a Índia ficou em terceiro lugar.

De acordo com o estudo, o governo brasileiro tem trabalhado para se certificar de que todas as micros, pequenas empresas e profissionais liberais tenham registro oficial, especialmente aqueles que não eram contribuintes anteriormente. “Dos números absolutos de criação de empresas apurados no Brasil, mais de dois terços é representado por MEI’s, o que evidencia em grande parte a formalização de quem já exercia alguma atividade”, afirma Marcello Reis, gerente de Desenvolvimento de Negócios da UHY Moreira.

Em números absolutos, entre estes 22 países, o Brasil ainda é o que criou mais empresas no ano, assim como foi em 2010 – o que diminuiu foi a diferença entre nossos números e os da China, segundo maior criador de empresas. Os Microempreendedores Individuais (MEIs) foram responsáveis por mais de 2/3 dos novos empreendimentos em 2014 no país, de acordo com o ‘Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas’.

No BRIC, a média de crescimento foi de 42%, muito maior do que a do Brasil, que também ficou abaixo da média do G7, de 31%. Dos países analisados, o único que teve diminuição no número de novos negócios criados foi a Romênia, com variação de -17%. O país que criou menos empresas no grupo foi a Jamaica.

#

Países

Número de novos negócios em 2010

Número de novos negócios em 2014

% Alteração

1

China

811.100

1.609.700

98

2

Reino Unido

385.741

581.173

51

3

Índia

67.509

98.437

46

4

Itália

57.253

83.000

45

 

Média do BRIC

42

5

Austrália

157.667

223.013

41

6

Alemanha

417.644

585.700

40

7

França

119.319

165.725

39

 

Média do G7

31

8

República da Irlanda

14.100

17.782

26

9

Espanha

76.622

94.955

24

10

Brasil

1.528.248

1.865.183

22

11

Emirados Árabes Unidos

136.841

162.173

19

12

Nova Zelândia

42.530

49.281

16

13

Portugal

31.220

35.568

14

14

Estados Unidos

505.473

561.488**

11

15

Holanda

29.287

32.106**

10

16

Japão

99.616

106.644

7

17

Rússia

399.818

420.500

5

18

Canadá

24.630

25.723***

4

19

Romênia

122.831

101.619

-17

20

Dinamarca

26.408

21

Croácia

15.676

22

Jamaica

1.772

Fonte: UHY

* (Associação de Mercados Financeiros na Europa)
**2013, Número mais recente disponível
***2012, Número mais recente disponível