Bob Iger deixa comando da Disney após 15 anos — o que ele conquistou?

Bob Iger foi o responsável por transformar a Disney em um grande conglomerado de mídia; confira os maiores feitos de sua gestão

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

26 de fevereiro de 2020 às 16:55 - Atualizado há 1 mês

Robert Allen Iger, o “Bob Iger”, deixou o cargo de CEO da Disney nesta terça-feira (25). Ele é reconhecido por ser um dos líderes mais bem-sucedidos do mundo — as ações da Disney subiram cerca de 490% desde que ele assumiu a presidência-executiva em 2005.

Nascido em 10 de fevereiro de 1951 em Nova York, nos Estados Unidos, Iger possui um extenso currículo em mídia — e foi fundamental para transformar a Disney em uma referência em entretenimento nos últimos 10 anos. O lançamento do streaming de vídeo Disney+ (leia-se “Disney Plus”), um de seus “últimos feitos” como CEO, consagra o que ele construiu durante este tempo de liderança na companhia centenária.

O executivo esteve a frente da compra da Pixar (no valor de US$ 7,4 bilhões) e acabou se tornando um amigo pessoal de Steve Jobs no processo. Juntos, eles chegaram a discutir, inclusive, a compra da Disney pela Apple. Jobs se tornou um dos maiores acionistas da Disney após a aquisição.

Ainda no setor de entretenimento, a Disney adquiriu a Marvel por US$ 4 bilhões e a produtora Lucasfilm pelo mesmo valor. A aquisição da Marvel trouxe a franquia bilionária de super-heróis para dentro de seu catálogo, enquanto a Lucasfilm integrou Star Wars e Indiana Jones.

Confira como ter uma gestão inovadora em sua empresa

A maior aquisição já realizada pela companhia foi no ano passado, de US$ 71,3 bilhões pela Fox. Hoje, o Disney+ supera 28 milhões de inscritos e reúne títulos criados pela própria empresa e pelas companhias que adquiriu. Entre os concorrentes, há a Netflix e a Apple, que lançou o AppleTV+ também em 2019.

Enquanto trabalhava para fortalecer a veia de mídia da Disney, Iger foi considerado o CEO mais bem pago do setor, recebendo US$ 65,6 milhões em 2018. Em seu primeiro ano como CEO, a Forbes estima que ele tenha recebido US$ 22 milhões, sem incluir US$ 2,9 recebido em ações. Hoje, o cálculo é que sua fortuna seja de US$ 690 milhões.

Nesta quarta-feira (25), Iger se afasta da liderança da companhia, mas não para muito longe. O ex-CEO se tornou o presidente do conselho da Disney, cargo no qual deverá permanecer até o fim de seu contrato em dezembro de 2021. “Com o lançamento bem-sucedido dos produtos voltados diretamente aos consumidores da Disney e a integração da Twenty-First Century Fox já em andamento, acredito que este seja o momento ideal para fazer a transição para um novo CEO”, disse Iger em um comunicado à imprensa. Ele continuará liderando os “esforços criativos” da companhia.

Uma nova era na Disney

Quem assume o mais alto cargo de liderança na Disney é um outro Bob: Bob Chapek. Há 27 anos na companhia, ele foi o líder de parques, produtos e experiências, área que conta com 170 mil funcionários ao redor do mundo. Entre suas funções, foi responsável por trazer os novos personagens adquiridos pela Disney aos parques da companhia.

Chapek é formado em microbiologia pela Universidade de Bloomington, em Indiana, e entrou na companhia fundada por Walt Disney em 1993. “Bob será o sétimo CEO em quase 100 anos de história e se provou excepcionalmente qualificado para liderar a companhia para seu próximo século. Ao longo de sua carreira, Bob foi um líder com integridade e convicção, sempre respeitando o rico legado da Disney ao mesmo tempo que tomava riscos inteligentes e inovadores para o futuro”, completa Iger.

A expectativa é que Chapek continue o trabalho de Iger, mas sob uma nova ótica: tornar o universo adquirido pela Disney uma realidade para além do streaming e dos parques, mas em toda a companhia.

Quer saber como liderar sua empresa para uma gestão de sucesso? Confira o curso Gestão Inovadora para Resultado.