Bill Gates prova (e aprova!) água extraída de fezes humanas por máquina

Avatar

Por Júlia Miozzo

8 de janeiro de 2015 às 10:52 - Atualizado há 6 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

SÃO PAULO – Em seu blog pessoal e seu canal do YouTube, o fundador da Microsoft Bill Gates conta sua experiência ao provar, em novembro do ano passado, a água extraída de fezes humanas através de uma máquina chamada de Omniprocessor.

A Fundação Gates, também do empresário, está promovendo ajuda financeira à tecnologia voltada, principalmente, para os países pobres e emergentes, cujas condições sanitárias são inadequadas.

Criada por Gates e sua esposa, trata-se de uma Organização sem fins lucrativos cujo principal objetivo é melhorar as condições de vida, especialmente na saúde, e erradicar a pobreza através de doações privadas, sendo o casal o principal doador junto com o bilionário Warren Buffet.

“Por que alguém tranformaria dejetos em água potável e eletricidade? Porque um chocante número de pessoas, ao menos 2 bilhões, usam latrinas que não são propriamente drenadas e outras simplesmente defecam ao ar livre. O dejeto contamina a água potável de milhões de pessoas e gera terríveis consequências: doenças causadas por um sistema sanitário pobre mata 700 mil crianças a cada ano, privando-as de um pleno desenvolvimento fisico e mental”, comentou Gates em seu blog.

Através de dois processos, o Omniprocessor obtém água tão limpa quanto a bebida diretamente de uma garrafa de água mineral. Primeiro, as fezes são fervidas, permitindo que a água que nela se encontra evapore e, então, passe por um processo de limpeza, deixando-a pronta para consumo. As fezes já secas passam, posteriormente, por um processo de queima a 1000 graus Celsius que gera eletricidade. 

A máquina foi criada pela empresa Janicki Bioenergy e ainda está em desenvolvimento. Seu projeto piloto será aplicado no Senegal. Conhhecido por suas ações filantrópicas e projetos sociais, Gates fala sobre a ideia do processador: “Pode ser que demore anos até o processador ser usado sabiamente, mas fiquei impressionado com a engenharia da Janicki e estou empolgado com o modelo de negócio”. 

Confira abaixo o vídeo explicando o processo de obtenção de água: