Aplicativo para telefone pode dizer se você está sofrendo de depressão

Avatar

Por Júnior Borneli

17 de julho de 2015 às 11:02 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Você pode pensar que você sabe muito sobre o funcionamento interno do seu telefone, mas o telefone pode ter uma visão ainda melhor de seu estado mental.

Um novo estudo publicado ontem no Journal of Medical Internet Research por pesquisadores da Northwestern University detalha como o GPS e sensores de uso podem determinar se um usuário está exibindo sinais de depressão. O relatório detalhou que os pesquisadores foram capazes de usar os dados de smartphones para determinar os sintomas de um paciente depressivo com uma precisão de 86,5 por cento.

Inscreva-se já no curso Encantando Investidores e Aceleradoras e saiba como conquistar o sucesso! Garanta sua vaga! O número é bastante limitado.

O estudo acompanhou 40 participantes que utilizaram telefones com um aplicativo de coleta de dados instalada, chamada Purple Robot, que se descreve como uma “aplicação de detecção e de script que permite a criação de intervenções comportamentais e experiências sensíveis ao contexto.”

Os detalhes do relatório que os pesquisadores então analisando chegam a partir de um questionário de auto-relato:

No início do estudo, os participantes foram convidados a completar uma avaliação on-line consiste em um questionário de dados demográficos e do Patient Health Questionnaire-9 (PHQ-9), uma medida comumente utilizada de gravidade do sintoma depressivo, que produz escores que variam de 0-27. Quem apresenta menos de 5 pontos não tem nenhuma depressão; de 5 a 9 significa depressão leve; de 10 a 14 representa depressão moderada; de 15  a 19 indica depressão moderadamente grave e mais de 20 representa depressão grave.

A partir desses dados os investigadores analisaram as informações e acompanharam como os usuários estavam se comportando em relação ao seus telefones, quantas vezes eles saíram de casa e o quanto eles se desviavam de suas rotinas diárias. Eles descobriram, sem surpresa, que os usuários com sintomas depressivos tendem a se mover menos através do espaço geográfico.

Nas conclusões do relatório, o autor David C. Mohr, professor de Medicina Preventiva-Behavioral Medicine da Northwestern University, discutiu as implicações do estudo para o atendimento discreto ao paciente que apresente fatores comportamentais que podem estar relacionadas à depressão.

Este estudo, obviamente, traz algumas preocupações de privacidade bastante claras, especialmente quanto às coordenadas do GPS e dados de login. Mas apresenta a solução como uma alternativa altamente viável para o monitoramento e tratamento de pacientes que sofrem de depressão, doença cada vez mais comum nos dias atuais.

Por enquanto o aplicativo está sendo utilizado apenas em pesquisas, mas muito em breve pode estar disponível para qualquer pessoa. É a tecnologia a favor da saúde!