A tirania do preço mais baixo e o risco de uma corrida que você perde se ganhar

Da Redação

Por Da Redação

15 de Maio de 2015 às 09:12 - Atualizado há 6 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Por Seth Godin, na Endeavor

Abaixar o preço é uma escolha unidirecional. Ou é mais barato, ou não é.

No início, o processo de abaixar seu preço envolve uma eficiência bem inteligente. Ele força decisões difíceis que geram resultados melhores.

Com o tempo, no entanto, em um mercado competitivo, a busca pelo menor preço leva a brutalidade. A brutalidade de prejudicar seus fornecedores, de comprometer sua moral e sua missão. Outra pessoa está sempre disposta a ir um centavo menos e, para competir, suas possibilidades ficam mais limitadas ainda.

O problema com a corrida para ficar na posição mais baixa é que você pode ganhar. Ou, ainda pior, você pode ficar em segundo.

Para cortar um real daqueles ebooks ou dez reais daquela passagem de avião (descontos que poucos iriam notar, quando sem base de comparação), você precisa mudar a forma como as coisas são editadas, como pessoas são treinadas ou como a segurança é garantida. Você precisa mexer na cultura ou em como as pessoas são tratadas. Você precisa estar disposto a ligar menos para certos pontos, ou ser mais severo que aquele outro cara daquela outra empresa.

Henry Ford conquistou seu sucesso cedo usando ideias de negócio para produção em massa e peças intercambiáveis, em uma corrida magnífica pelo sistema manufatureiro de carros mais eficiente da história. Ele e seu time descobriram que as pessoas na verdade não queriam o carro mais barato. Elas queriam o carro que lhes daria orgulho, que fosse um pouco mais seguro, um pouco mais estiloso, que fosse construído por pessoas que ganhavam salários que os fizessem contribuir para a comunidade.

No longo prazo, ser o mais barato é um refúgio para aqueles que não têm o faro para desenhar algo que valha pagar um pouco a mais. Que não têm a coragem de apontar para seu produto ou serviço e falar “não é o mais barato, mas vale o preço“.