A GoPro não vai nada bem, e Marc Andreessen sempre soube que isso aconteceria

Avatar

Por Paula Zogbi

14 de janeiro de 2016 às 17:33 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

As vendas da fabricante de câmeras GoPro ficaram muito abaixo do esperado na temporada de compras de fim de ano de 2015, o que fez com que a companhia anunciasse cortes de 7% de sua equipe. Ninguém achava que isso aconteceria, exceto o investidor Marc Andreessen.

Em 2014, quando a companhia abriu capital e fazia enorme sucesso, Andreessen já via os sinais de um futuro recheado de problemas, como disse em uma série de Tweets em fevereiro daquele ano – fortemente rebatidos por outros usuários da rede social.

O diálogo foi o seguinte: seu sócio, Chris Dixon, twittou que a GoPro “é uma companhia que desenvolve comunidades de entusiastas com o esporte e monetiza vendendo eletrônicos”. Ao que ele respondeu: “ah, sim! A ficção conveniente de todas as companhias de hardware até que seus produtos virem commodities ?”.

Esta conversa deu início a uma série de argumentações, como a de que a companhia enfrentava as mesmas ameaças que atingiram a Flip, outra companhia de hardware para vídeo que fechou após ser comprada pela Cisco. A discussão, que pode ser lida aqui (em inglês), terminou com uma mensagem de Chris: “vamos checar novamente em três anos”. Cá estamos agora.