A GoPro não vai nada bem, e Marc Andreessen sempre soube que isso aconteceria

Avatar

Por Paula Zogbi

14 de janeiro de 2016 às 17:33 - Atualizado há 5 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

As vendas da fabricante de câmeras GoPro ficaram muito abaixo do esperado na temporada de compras de fim de ano de 2015, o que fez com que a companhia anunciasse cortes de 7% de sua equipe. Ninguém achava que isso aconteceria, exceto o investidor Marc Andreessen.

Em 2014, quando a companhia abriu capital e fazia enorme sucesso, Andreessen já via os sinais de um futuro recheado de problemas, como disse em uma série de Tweets em fevereiro daquele ano – fortemente rebatidos por outros usuários da rede social.

O diálogo foi o seguinte: seu sócio, Chris Dixon, twittou que a GoPro “é uma companhia que desenvolve comunidades de entusiastas com o esporte e monetiza vendendo eletrônicos”. Ao que ele respondeu: “ah, sim! A ficção conveniente de todas as companhias de hardware até que seus produtos virem commodities ?”.

Esta conversa deu início a uma série de argumentações, como a de que a companhia enfrentava as mesmas ameaças que atingiram a Flip, outra companhia de hardware para vídeo que fechou após ser comprada pela Cisco. A discussão, que pode ser lida aqui (em inglês), terminou com uma mensagem de Chris: “vamos checar novamente em três anos”. Cá estamos agora.