5 dicas para se dar bem no mundo das startups

Avatar

Por Juliana Américo

20 de março de 2015 às 10:20 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

SÃO PAULO – Quem quer investir em uma startup já deve ter percebido que é um mercado extremamente dinâmico e competitivo.

E para aqueles que acham que abrir uma empresa é tarefa fácil, a diretora de operações da Webhome, Raíssa Klain Belchior, lembra que nem tudo é um mar de rosas. “A primeira coisa que eu gostaria de dizer é: você acabou de decretar o fim da sua vida social e dos churrasquinhos de final de semana! Sim, é triste, mas é a realidade”, afirma.

“Quando comecei minha primeira startup acreditava que com muito esforço e determinação teria o mundo sob os meus pés e muitos investidores querendo apostar na ideia. Nada do que estava sonhando aconteceu e foram vários baldes de água fria na cabeça. Isso por um lado me fortaleceu, tentei e falhei, e nunca achei que era tarde para recomeçar. É preciso aprender, fazer e refazer quantas vezes for necessário”, explica.

Confira cinco dicas da empreendedora essenciais para se dar bem no mundo das startups:

1- Conheça e reconheça seus pontos fortes e fracos
Quando se resolve empreender, a coisa mais comum é que o empreendedor ache a sua ideia tão brilhante que não precisa de nenhuma mudança ou sugestão alheia. Mas é importante perceber que mentores podem ser muito bem-vindos, principalmente aqueles com mais experiência, que te ajudarão a enxergar os pontos fortes e fracos do seu negócio e a buscar novas oportunidades.

Cadastre sua startup no StartSe e fale com investidores e mentores. Você pode receber uma ajuda valiosa. Acesse www.startse.com.br. É gratuito.

2- Não espere investimentos para colocar em prática a sua ideia
As aceleradoras pegam um modelo de negócio novo que funciona, foi testado e validado por clientes reais e agora está pronta para ganhar o mercado. “Ou seja, pegar algo que anda a 50 km/h e elevar a velocidade para 300 km/h”, afirma.

Se você está na busca de uma aceleradora, mas seu produto não saiu do papel, ou você ainda nem testou seu produto, lembre-se que você está à procura de uma catapulta e não de uma aceleração. Também existem empresas que conseguem encontrar um investidor-anjo e recebem uma quantia generosa para iniciar o negócio. Mas não espere que essas coisas aconteçam para você começar a trabalhar a sua ideia. Uma startup pode acelerar por meio da próprio network e do talento e comprometimento da equipe envolvida.

3- Tenha um bom pitch
Quase todos os meses empresas especializadas e grupos de investidores fazem eventos onde startups fazem um pitch – uma apresentação oral da sua ideia de negócio, produto ou empresa. “Ter uma boa apresentação é a chave para atrair investimentos. Para o conteúdo da apresentação em si, é importante ter a ideia bem definida e ser bem claro e conciso para que a plateia não perca o interesse e se distraia. E, por mais difícil que seja, tente mostrar que domina a sua empresa, sem transparecer nervosismo. Pessoas seguras, passam segurança”, explica Belchior.

4- Não pense que você já sabe tudo sobre o cliente
Antes de começar o negócio, é preciso entender o meio em que está inserido e “perder” tempo conhecendo o mercado para o qual a startup vai trabalhar. Esse estudo é muito importante para oferecer soluções que tenham público certo e resolvam problemas de clientes, ou pelo menos de um número significativo deles. Dessa forma, a chance de desenvolver um produto que seja realmente útil e gere lucro é maior.

5- Monte um timaço
Quando se monta uma startup, o que de fato vale são os empreendedores por trás da ideia, não a ideia em si, como muitos acreditam. Entretanto, um empreendedor sozinho não consegue tocar o negócio todo. Para montar um bom time, é preciso pessoas que se comprometam, vistam a camisa e se dediquem. “O meu conselho é: busque profissionais que possuam perfil de liderança, pois estes assumirão compromisso e saberão o que fazer nos momentos críticos”.