5 despesas que podem levar startups despreparadas à falência

Avatar

Por Isabella Câmara

28 de Maio de 2018 às 15:15 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Cerca de um terço dos novos negócios falham nos primeiros dois anos, e quase 50% desses negócios não estão nem perto de atingir a marca de cinco anos de vida. Mas, por quê? Segundo o US Bank, estima-se que 82% das empresas falham devido a problemas de fluxo de caixa. Ou seja, criar uma startup exige coragem – e dinheiro.

Não é segredo que é preciso uma quantia significativa para lançar e operar uma startup. Mas às vezes os empreendedores subestimam o quanto precisarão cobrir suas despesas. Abaixo, elencamos as principais despesas que mais tiram o sono de fundadores de startups:

Taxas legais

Os empreendedores, eventualmente, precisarão de advogados/contadores para ajuda-los a resolver assuntos legais – como, por exemplo, na formação e incorporação de um negócio. Esses profissionais são ativos valiosos que podem ajudar os empreendedores a superar obstáculos legais durante seu caminho. Mas esses serviços não são baratos.

Para quem deseja economizar na área jurídica, é importante pesquisar modelos e documentos online que podem dar uma vantagem inicial ao planejamento legal de um empreendedor. Acordos operacionais, contratos de formulário e termos de serviço podem ser encontrados online, fazendo uma rápida pesquisa no Google, por exemplo. O ideal é pegar esses documentos, que os empreendedores acreditam que seja, 90% do que precisam, e consultar um advogado para dar continuidade ao processo.

Impostos

A maioria dos empreendedores sabem que terão de pagar impostos, mas eles podem se surpreender com o valor que terão que desembolsar – principalmente aqui no Brasil, onde a questão tributária é uma bagunça. Para minimizar essas despesas, é melhor trabalhar com um contador durante todo o ano. Esse profissional pode se certificar de que você está aproveitando todas as deduções disponíveis para reduzir sua conta de impostos. Ter uma estratégia fiscal sólida ajudará você a maximizar a quantidade de dinheiro que você precisa reinvestir a cada ano em sua startup.

Juros e financiamento

Muitos empreendedores não têm outra escolha senão fazer um empréstimo para financiar seus sonhos. Segundo a National Small Business Association, cerca de 69% das pequenas empresas usaram empréstimos ou algum tipo de financiamento em 2016. Esses empréstimos podem parecer uma maneira rápida e fácil de injetar dinheiro no negócio – no entanto, muitos se esquecem de considerar os juros quando decidem se fazer empréstimo é ou não uma boa ideia.

A taxa de juros irá variar dependendo do tipo de empréstimo e da situação de um empreendedor, mas é importante sempre ler as letras miúdas com cuidado antes de assinar a linha pontilhada. Mas há outra tendência no mundo das startups: o crowdfunding, como o Kickstarter e o Indiegogo. Esses sites permitem que as startups façam crowdsourcing de fundos a um prazo muito mais atraente do que um empréstimo tradicional.

Retração

Startups que vendem produtos em um ambiente físico, ou até mesmo online, podem experimentar uma grande retração. Para evitar essa situação, os empreendedores devem primeiro determinar onde seus produtos são mais vulneráveis ​​à retração – lojas físicas ou online.

Um empreendedor percebe que há uma grande incidência de furtos em sua loja física, por exemplo. Para resolver isso, ele precisará considerar a instalação de um sistema de segurança, bem como contratar pessoas suficientes para cuidar dos clientes e treiná-los para procurar sinais de que alguém está furtando lojas. Já os e-commerce devem garantir um sistema de auditoria adequado para evitar erros e perda de produtos.  Preparar-se dessa maneira pode ajudar os empreendedores a combater a retração e proteger suas finanças.

Tempo

O tempo é dinheiro e é de longe o recurso mais valioso. Não saber administrá-lo da melhor forma pode prejudicar, e muito, os novos negócios. Além disso, a maneira como um empreendedor gasta seu tempo também pode afetar sua vida pessoal. Isso porque, por estarem comprometidos com o lançamento de seus negócios, os empreendedores trabalham longas horas e reservam pouco tempo para seus entes queridos.

Não há motivo para os fundadores de startups temerem quanto tempo gastarão em seus negócios. Existe uma maneira de encontrar um equilíbrio entre o trabalho e sua vida pessoal: gerenciamento do tempo. Eliminar as distrações no local de trabalho, delegar tarefas de baixo valor e aproveitar os aplicativos de agendamento e gerenciamento de tempo podem ajudar os empreendedores a aproveitarem ao máximo cada momento do dia para trabalhar e, com isso, terem mais tempo para a vida pessoal.

Baixe já o aplicativo da StartSe no iOS ou no Android

(Via: Entrepreneur)