20 anos atrás, Bill Gates previu e acertou como seria a internet hoje em dia

Mesmo numa época em que apenas 1% do mundo estava conectado à internet, Gates conseguiu enxergar o futuro claramente

Avatar

Por Júlia Miozzo

4 de janeiro de 2016 às 15:48 - Atualizado há 4 anos

SÃO PAULO – Que Bill Gates é um gênio da tecnologia, todos sabem. Mas saber que o bilionário acertou diversas previsões acerca da internet pode ser uma novidade. Como conta o portal Business Insider, em 1996, o então CEO da Microsoft escreveu um artigo chamado “Content is King” (“Conteúdo é Rei”), onde fazia diversas previsões sobre como a internet seria no futuro.

Na época, apenas 1% do mundo estava online, a velocidade de conexão era lenta e existiam poucos websites para serem acessados – era uma internet ainda muito jovem. Grandes sites, como o YouTube e Facebook, ainda não existiam.

Ainda assim, 20 anos atrás, ele previu fatos como a morte da mídia impressa e crescimento dos sites de conteúdo gerado por usuários, como o Reddit.

Confira algumas dessas previsões:

O conteúdo criado para a internet daria tanto dinheiro quanto a TV
No momento em que o artigo foi escrito, a internet tinha pouco conteúdo multimídia, principalmente por conta das conexões lentas e do pouco investimento em publicidade online. Mas, já nessa época, Gates previa que o conteúdo seria entregue em maior quantidade no futuro e que muitas pessoas se interessariam, o que levaria a maiores investimentos em publicidade digital e, consequentemente, geraria dinheiro.

“Conteúdo é onde eu espero que muito do dinheiro real será feito na Internet, tal como foi com a transmissão televisiva”, escreveu. Embora a internet ainda não seja uma máquina de dinheiro tão grande quanto a televisão, os investimentos em publicidade são cada vez mais voltados para o mundo digital.

Boa parte da internet seria feita de conteúdos gerados por usuários, como o YouTube
“Uma das partes interessantes da internet é que qualquer pessoa com um computador e um modem de internet pode publicar qualquer conteúdo que criarem. De certo modo, a internet é a multimídia equivalente à fotocopiadora: ela permite que o material seja duplicado por um preço baixo, não importa o tamanho da audiência”, escreveu Gates.

Embora não tenha usado o termo “conteúdo gerado por usuário”, a descrição é exatamente sobre isso. Hoje, plataformas como o Instagram, Reddit, Youtube e Facebook permitem que os usuários construam e também consumam a própria internet.

A internet daria espaço para que pequenas empresas competissem com concorrentes maiores
Em 1996, apenas algumas empresas tinham sites na internet, o que permitia que grandes empresas engolissem as startups. Hoje, acontece o contrário: a internet dá espaço para pequenas empresas, destacando seu nome apenas com conteúdo, competindo no mesmo campo que as grandes empresas.

“Mas as grandes oportunidades para a maioria das empresas envolve entretenimento ou fornecimento de informações. Nenhuma empresa é pequena demais para participar”, disse Gates.

A morte da mídia impressa
“A questão em muitas mentes é a frequência com que essas empresas que servem um grupo de interesse na impressão terão sucesso no meio online. Até mesmo o futuro de certas revistas estão em questão por conta da internet”, foi o comentário de Bill Gates.

Tal como qualquer organização de notícias fez seu caminho até o mundo online em algum ponto, muitas outras moveram sua versão impressa para o digital e não tiveram sucesso ou habilidade de inovação, o que Gates já havia dito que não traria sucesso – e ele estava certo.

Boa parte das publicações impressas viu a receita diminuir, enquanto publicações digitais crescem cada vez mais e ganham mais credibilidade.

Notícias feitas para uma audiência local se tornaria global
“Embora a atmosfera atual seja confinada para os Estados Unidos, eu espero que ela alcance o mundo, conforme os custos com a comunicação diminuam e uma massa crítica de conteúdo localizado fique disponível em outros países”, era a previsão de Gates.

Os custos de acesso à internet diminuíram consideravelmente e, hoje, 40% do mundo já está conectado – e ainda é pouco. Em 1996, esse número era 1%. Com cada vez mais pessoas online com o acesso a informação em todo o mundo, notícias locais dos anos recentes normalmente tiveram alcance global.

A tecnologia de paywall apareceria em um ano
“Mas em um ano, os mecanismos estarão em um lugar que permitirá que os provedores de conteúdo cobrem alguns centavos por informação. Se você decidir visitar uma página que custa 25 cents, você não escreverá um cheque ou receberá uma conta pelo correio. Você simplesmente clica no que quer ler, sabendo que será cobrado em uma base agregada”, previu Gates.

Embora esse ainda seja um tópico contestado, em 1996 a tecnologia de processar pagamentos online para websites já exista. O primeiro site a utilizar a tecnologia Paywall era da própria Microsoft, o Slate.com, que cobrava uma taxa de inscrição anual de US$ 19,95; no ano seguinte, o Wall Street Journal adicionou uma cobrança anual de US$ 50, que ainda hoje existe.