WeChat faz parceria com a Samsung e passa a ser quase um sistema operacional

João Ortega

Por João Ortega

23 de agosto de 2019 às 16:59 - Atualizado há 9 meses

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

WeChat e Samsung anunciaram nesta quinta-feira (22) uma parceria na China. Usuários dos modelos mais recentes de smartphones da fabricante sul-coreana poderão usar miniprogramas do WeChat direto da tela inicial, sem precisar abrir o aplicativo em si.

Assine a newsletter Conexão China e receba conteúdo exclusivo semanal sobre a maior potência inovadora do Oriente!

A parceria aproxima o super app WeChat de um sistema operacional, embora os celulares da Samsung ainda usem o Android, do Google. No aplicativo chinês, já estão hospedados milhões de miniprogramas, que agora serão acessados externamente. A funcionalidade posiciona o WeChat, portanto, como concorrente direto da Play Store, loja oficial do Android, que se rentabiliza recolhendo uma parte dos downloads pagos e das compras dentro de apps.

Na prática, funcionará da seguinte forma: em um celular Samsung, ao arrastar a seção de apps para a direita, aparecem os miniprogramas do WeChat usados recentemente. Ao arrastar para a esquerda, surgem os miniprogramas favoritos selecionados pelo usuário. A novidade estará presente nos smartphones Galaxy S8, S9 e S10, bem como nos modelos Note8 e Note9. Novos lançamentos da marca também terão o recurso.

Leia também: A tecnologia por trás do WeChat, super app com mais de 1 bilhão de usuários

Na China, cerca de um bilhão de pessoas usa o WeChat todos os dias. Além do serviço de mensagens, funcionalidade primária que tornou o app popular, ele é um meio de pagamento, uma rede social e hospeda praticamente todos os serviços que o chinês precisa na sua rotina – o que o caracteriza como um super app.

Outros aplicativos da China, como o Alipay e o Douyin, seguiram a tendência e criaram um sistema para hospedar miniprogramas para concorrer com o WeChat, da Tencent.

No podcast MVP StartSe, discutimos o uso do reconhecimento facial na China, entre outros temas relevantes da maior potência do Oriente. Ouça abaixo: