União Europeia não vê Huawei como risco à segurança no 5G

João Ortega

Por João Ortega

22 de janeiro de 2020 às 10:12 - Atualizado há 8 meses

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

Apesar da insistência dos EUA contra a presença da empresa chinesa na Europa, a Huawei não será citada como risco à segurança em redes de 5G pela União Europeia (UE). Nesta segunda-feira (20), Thierry Breton, representante de assuntos digitais da UE, disse que nenhuma companhia será expressamente excluída das recomendações feitas pelo órgão.

Assine a newsletter Conexão China e receba conteúdo exclusivo semanal sobre a maior potência inovadora do Oriente!

No fim de janeiro, a EU vai divulgar um documento com medidas de segurança para a instalação da infraestrutura e distribuição da rede 5G. Vale ressaltar que o relatório não tem poder sobre a soberania das nações vinculadas à comunidade. Portanto, cabe a cada país decidir qual empresa será responsável pela infraestrutura da internet de alta velocidade.

O que estará no documento elaborado pela União Europeia será a recomendação de evitar contratos com companhias que compartilham dados com os governos de seu país. Segundo senadores dos EUA, a Huawei se encaixa nesta descrição. A empresa, por outro lado, nega.

A Europa se encontra no meio de uma disputa comercial e tecnológica entre EUA e China. Embora as potências globais tenham assinado um acordo diminuindo as restrições de comércio entre eles na semana passada, a tensão se mantém em outras frentes. A Huawei, por exemplo, é central no entrave. A companhia chinesa, inclusive, foi acusada pelos EUA de espionagem comercial.

Pesa contra a Huawei o fato de suas principais concorrentes em infraestrutura para o 5G serem europeias: Ericsson, da Suécia, e Nokia, da Finlândia. Por outro lado, especialistas apontam que nenhuma das duas empresas tem capacidade tecnológica de competir com a chinesa, tanto em qualidade, como em preço.