Na mentalidade do Vale do Silício é até importante você falhar antes de ter sucesso

Da Redação

Por Da Redação

7 de outubro de 2017 às 16:44 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Nenhum lugar do mundo concentra tantas empresas de tecnologia de sucesso quanto o Vale do Silício. A região tem uma mentalidade especial que colabora para isso: ela celebra o fracasso de empreendedores e o aprendizado que se pode tomar em cada uma das vezes que as pessoas cometem erros.

Além disso, o Vale é um lugar muito diverso, com uma forte diferença de pensamento entre todas as pessoas. “51% da população do Vale do Silício é de estrangeiros. Quando você entra no avião e desce, quem são seus pais, quem é tua família, tudo que você fez, fica para trás”, avisa Felipe Lamounier, sócio da StartSe e um dos responsáveis pelo nosso escritório no Vale.

Ele discursou no Silicon Valley Conference, um evento para quase 2.000 pessoas que estamos organizando em São Paulo. “A única coisa que você sabe sobre o Vale do Silício é que é um ambiente extremamente incerto”, explica. Lá não há certezas: apenas hipóteses.

E é um ambiente que não valoriza as falsidades do status: o importante é o que você pensa e argumenta, não como você está vestido ou o cargo da sua empresa. “Ele é super informal, você vai trabalhar de Allstar, numa boa”, destaca.

O Vale do Silício é um ambiente que valoriza a transformação que o planeta está passando e o quanto ela é rápida atualmente. “Depois que o mundo passou a mudar muito mais rápido, acabou com o negócio de fazer planos de 5 anos”, completa.

Sem certezas, espera-se que as pessoas arrisquem o tempo todo – e compreende se você fracassar. “No Vale acredita-se que se você toma uma decisão com certeza, essa decisão foi tomada tarde demais. Se você falha é taxado de experiente. Em outros lugares, é taxado de fracassado. Lá é um lugar que celebra a falha”, completa.

Lá existem até eventos destinados às pessoas que falharam tentando empreender. “Em 2015 eu fui um evento chamado Failcon, onde tinham empreendedores que falharam e lá o fundador do Waze me abriu o olho, falando que o empreendedor que empreende pela 2ª vez tem cinco vezes mais chances de dar certo”, afirma Lamounier.

Alguns dos principais nomes passaram por essa questão. “Grandes empreendedores passaram por grandes fracassos. O Steve Jobs foi demitido da Apple. Imagine você dar sua vida para construir um negócio e aí foi demitido”, exemplifica.

E ele não foi o único nome a passar por fracassos durante a carreira. “Bill Gates também cometeu erros. Antes da Microsoft ele criou um sistema de gerenciamento de trânsito, deu problema e quando foi corrigir o produto, o Estado de Washington já tinha o produto”, diz.

Até quem teve grandes sucessos passou por pequenos fracassos dentro desses grandes sucessos que lhe ensinaram lições importantíssimas. “Mark Zuckerberg falhou também. Sua primeira rede social, o Facemash, fez um sucesso, mas a universidade de Harvard fechou ela em pouco tempo. O Jeff Bezos tem uma frase celebre de que ele criou bilhões de dólares com fracassos na Amazon.com”, termina.