Microsoft quase comprou a Slack, mas Bill Gates apareceu e impediu

Avatar

Por Lucas Bicudo

7 de março de 2016 às 13:32 - Atualizado há 5 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

A Microsoft estava ponderando ofertar US$ 8 bilhões pelo aplicativo de chat Slack, mas a oposição do fundador Bill Gates e do atual CEO da companhia Satya Nadella ao negócio emperrou a ideia de ir para frente e a companhia acabou desistindo das negociações,  mostra o Business Insider.

De acordo com a matéria veiculada, quem estava disposto a fazer essa oferta era o vice-presidente executivo Qi Lu, responsável pelo Bing, Office e Skype. Entretanto, Gates argumentou a favor do uso desse dinheiro para investimentos internos, como transformar o próprio Skype em uma plataforma mais amigável para os negócios, desenvolvendo novas funções para o software.

O fundador da Microsoft ainda lembrou que o aplicativo de chamadas custou à Microsoft a mesma bagatela de US$ 8 bilhões, só que em 2011.

Por um outro lado, o Slack declarou que, após uma nova rodada de US$ 150 milhões de financiamento, a startup estará valendo US$ 4 bilhões – contra os US$ 2.8 bilhões reportados na primavera de 2015. Além disso, vem crescendo a taxas elevadíssimas.

Com o crescimento, o CEO Stewart Butterfield declarou que sua companhia já recusou “oito de dez” ofertas de aquisição. Será que se o negócio da Microsoft fosse adiante haveria também uma recusa por parte do Slack?

Não é de se surpreender o interesse da Microsoft, uma vez que o Slack é um dos aplicativos de negócios mais rápidos a se desenvolver na história. Desde seu lançamento oficial, há dois anos, recrutou mensalmente 2.3 milhões de usuários e caminha para gerar, em um futuro próximo, uma receita anual de US$ 64 milhões.

Falando em usuários, é aí que está o triunfo da plataforma. As pessoas amam! É rápido, fácil de usar e possui um design completamente intuitivo. Cabe agora à Microsoft, descartando a possibilidade de monopolizar o mercado e comprar o Slack, bater de frente com o Skype.

Ambos os aplicativos estão jogando no mesmo campo, agora com o desenvolvimento de chamadas de vídeo no Slack. Aguardemos o que irá acontecer, já que uma coisa é certa: quem não inovar irá ficar para trás.

Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]