Inteligência artificial do Google desenvolve agressividade, cobiça e egoísmo

Da Redação

Por Da Redação

14 de fevereiro de 2017 às 12:39 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Os estudos com inteligência artificial estão cada vez mais avançados, e cada vez mais preocupando algumas das principais mentes do planeta, como Bill Gates, Elon Musk e Stephen Hawking. Alguns estudos mostram que há motivos para nos preocuparmos, mesmo.

A DeepMind, a inteligência artificial do Google, está desenvolvendo questões humanas. Em situações de “stress”, ela pode agir de maneira bastante agressiva para conseguir completar seus objetivos. Em detrimento dos outros e demonstrando um alto nível de cobiça.

Explico: atualmente o Google está ensinando esta inteligência artificial a jogar alguns jogos. Um deles, Gathering, funciona de maneira bem simples. Duas inteligências artificiais disputam a oportunidade de pegar “frutas” em um determinado espaço, podendo usar um raio laser para tirar a competidora do jogo por um determinado.

Inteligências artificiais mais burras não disparam o laser, afinal, não há nenhum ganho direto ao paralisar o inimigo – só o ganho de ter menos competição por este tempo. Mas as mais avançadas fazem questão de tentar acertar o adversário para paralisá-lo e acabar pegando o maior número de frutas possível. Ou seja, sabotar o inimigo para conseguir o melhor placar possível agora faz parte do repertório da inteligência artificial.

Por mais que este seja um exemplo muito simplório, a lição é clara: inteligências artificiais podem aprender métodos muito eficientes e perigosos de cumprir seus objetivos e que podem criar problemas para a humanidade. “Estamos invocando o capeta”, diria Musk.

Mas I.A terá uma GRANDE utilização em tecnologias nos próximos anos e é absolutamente inútil brigar contra o desenvolvimento destas tecnologias. O ideal é acertá-las.

O Vale é referência neste tipo de estudo – e queremos trazer o mindset de lá para o ecossistema nacional de startups. Por isso, criamos a Silicon Valley Learning Experience, uma grande experiência de aprendizado lá no Vale com os melhores nomes da região.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]