Governo chinês acelera licenças e libera a venda de telefonia 5G

João Ortega

Por João Ortega

6 de junho de 2019 às 17:40 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

O Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China concedeu licenças para comercialização de redes 5G nesta quinta-feira. Quatro empresas de telecomunicações, sendo uma delas estatal, já estão autorizadas a fornecer a internet de alta velocidade aos clientes.

A previsão do governo era de que o 5G fosse comercializado a partir de 2020, mas o processo foi acelerado. Analistas do mercado afirmaram ao portal South China Morning Post que antecipar a concessão de licenças pode ser uma resposta às ações dos EUA de banir produtos da Huawei de seu território.

Mais sobre 5G:

“A licença para o 5G ajuda a iniciar as reformas estruturais necessárias na indústria de telecomunicação. A rede de alta velocidade vai melhorar o nível de informatização econômica e social e auxiliar diversas empresas a competir globalmente”, disse Yang Jie, presidente da empresa de telecomunicações China Mobile.

A companhia de Jie pretende disponibilizar o 5G comercialmente em 40 cidades da China até setembro deste ano. Na mesma linha, a Huawei, que fabrica smartphones e outros dispositivos com acesso à rede, afirmou já estar pronta para receber a internet de alta velocidade.

Segundo informações do portal China Daily, a Huawei investiu cerca de US$ 2 bilhões em sistemas 5G desde 2009. Já as empresas de telefonia móvel devem investir até US$ 224 bilhões para implementar nacionalmente a rede até 2025. A expectativa é que 460 milhões de chineses usem internet 5G até esta data, o que torna o país o maior mercado potencial da tecnologia.

A China Daily ainda reuniu comunicados de diversas empresas estrangeiras interessadas em colaborar com a adoção do 5G na China. Entre elas estão a Qualcomm (EUA), a Intel (EUA), a Nokia (Finlândia) e a Ericssen (Suécia).

Quer entender mais sobre a segunda maior economia do mundo? Garanta seu lugar no China Innovation Day!