Gigantes da internet da China aumentam receita e contrariam previsões do mercado

João Ortega

Por João Ortega

16 de agosto de 2019 às 12:36 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Nesta semana, gigantes da tecnologia da China divulgaram relatórios de ganhos do segundo trimestre de 2019. Alibaba, Tencent e JD.com fecharam o período com receitas acima do previsto por analistas de mercado e contrariam o prognóstico de que o consumo na China está desacelerando.

Assine a newsletter Conexão China e receba conteúdo exclusivo semanal sobre a maior potência inovadora do Oriente!

A Alibaba fechou o trimestre com uma receita total de US$ 16,7 bilhões, que representa um aumento de 42% em relação ao mesmo período do ano passado. O lucro, por sua vez, cresceu 145% na mesma comparação. A maior parte dos ganhos vieram do mercado local, o que comprova o crescente poder do consumo na China.

A Tencent, por sua vez, teve um lucro de US$ 3,4 bilhões no segundo trimestre de 2019. O valor fica bem acima do previsto por analistas de mercado: US$ 2,8 bilhões. Vale o destaque para a receita com jogos para smartphones, que cresceu 26% em relação ao período no ano passado.

A JD.com apresentou um aumento de 23% em relação ao período de 2018, com receita trimestral de US$ 22 bilhões. A rival da Alibaba, inclusive, viu o preço de suas ações aumentarem 8% na última segunda-feira (12) após divulgar os resultados.

A expectativa do mercado era de que houvesse uma desaceleração do crescimento da receita de empresas de tecnologia na China. Isto porque a economia do país como um todo já não cresce na mesma velocidade que há alguns anos, e a guerra comercial contra os EUA poderia resultar em aumento de custos e diminuir o público consumidor estrangeiro.

No entanto, os resultados divulgados pelas empresas, que têm capital aberto na bolsa de valores dos EUA, indicam que o crescimento do consumo digital na China é sustentável. Com os recentes aumentos de taxas sobre negócios com a China, aplicada pelo governo norte-americano, resta aguardar como serão os resultados do segundo semestre de 2019.