Como são os ônibus elétricos que vão chegar a São Paulo

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

14 de dezembro de 2018 às 11:54 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

São Paulo está prestes a receber seus primeiros ônibus elétricos no transporte público. 

O atual prefeito Bruno Covas, o secretário de Mobilidade e Transportes, João Octaviano Machado Neto, e o presidente da São Paulo Transporte, Paulo Cézar Shingai, apresentaram três veículos que passarão a circular em março na linha 6030/10, que transporta em média 17,5 mil passageiros por dia útil ao lado da zona sul da capital paulista.

Fabricados pela montadora chinesa BYD, os veículos são 100% elétricos e comportam 81 passageiros. Além disso, possuem área para cadeira de rodas, rampa para acesso, Wi-fi, USB e ar condicionado. Cada ônibus em operação equivale a reduzir as emissões de carbono de 33 carros.

4 horas para carregar a bateria

Os veículos têm cerca de 300 km de autonomia, são silenciosos e demoram de quatro a cinco horas para carregar 100%.

Os ônibus são equipados com 324 kWh em capacidade de bateria, podendo rodar o dia todo sem a necessidade de carregar. Segundo a BYD, o uso dos ônibus elétricos pode diminuir custos operacionais em até 70%.

Ao todo, 15 veículos elétricos vão entrar gradativamente no sistema em 2019. “Esses novos ônibus começarão a transitar em março, com energia limpa, e também não produzirão barulho. Isso é um benefício para a população e para a cidade”, disse o prefeito.

Projeto piloto

Segundo a prefeitura, a iniciativa faz parte de um projeto piloto para testar os ônibus, e que nove operadoras do sistema de transporte de São Paulo manifestaram interesse em participar.

A escolha da linha foi baseada em diversos pontos, como os custos para disponibilizar energia elétrica para no local de abastecimento, número de passageiros transportados e condições da frota.