Ogilvy Brasil e Nexo criam joint venture que utiliza I.A em publicidade

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

24 de abril de 2018 às 12:35 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Ogilvy Brasil – braço de uma das maiores agências de comunicação do mundo, a WPP – e a consultoria de inovação e tecnologia Nexo criaram, em parceria, um joint venture (empreendimento em conjunto) para atuar com inteligência artificial no mercado publicitário.

A Ogilvy Brasil participou do empreendimento através do Cognitive Studio, um departamento da empresa sobre computação cognitiva e criatividade. O acordo prevê que a Nexo passe a ser a parceira exclusiva para as entregas da agência. A consultoria utiliza ferramentas de automação que permite que as agências do grupo automatizem processos burocráticos e dediquem ainda mais tempo ao planejamento e criatividade dos produtos.

“O joint venture com a Nexo reforça nossa posição em inovar e explorar cada vez mais a inteligência artificial como uma nova ferramenta para responder aos desafios do negócio dos clientes e dentro do nosso próprio negócio. Muitas vezes, a inteligência artificial pode ser parte da entrega criativa”, afirma Fernando Musa, presidente do Grupo Ogilvy Brasil.

“Acredito firmemente no valor que as agências podem trazer aos seus clientes, utilizando a I.A. para potencializar as entregas. Por isso, fazer parte do Grupo Ogilvy é uma oportunidade incrível de fazer isso em escala ainda maior, já que passamos a ser parte integrante do WPP”, explicou o CEO da Nexo, Diego Figueredo. Com o joint venture, a consultoria espera crescer três dígitos ainda esse ano no mercado publicitário.

O joint venture das empresas foi conduzido pelo investidor anjo Marco Poli, da Closed Gap. Atualmente, Poli atua como conselheiro nas relações entre corporações e startups e recentemente fundou a Closed Gap para incentivar a inovação aberta e em corporações, utilizando como um dos meios o engajamento com startups. “É um exemplo de pioneirismo em inovação aberta”, diz Poli. Saiba como corporações e startups podem inovar e realizar parcerias de sucesso em nosso e-book gratuito.

[php snippet=5]