O reconhecimento facial no cotidiano das universidades da China

João Ortega

Por João Ortega

22 de agosto de 2019 às 16:29 - Atualizado há 1 ano

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O ano letivo na China inicia em setembro, mas o processo de matrícula já está acontecendo em algumas universidades do país. No caso da Universidade Tsinghua, em Pequim, os 3800 ingressantes devem realizar registro do rosto para se matricularem nos cursos. Além de agilizar o processo de cadastro, a tecnologia de reconhecimento facial é usada em diversos momentos da rotina universitária.

Assine a newsletter Conexão China e receba conteúdo exclusivo semanal sobre a maior potência inovadora do Oriente!

Na Universidade Dianzi em Hangzhou, por exemplo, o reconhecimento facial é aplicado na “chamada” das aulas. Uma câmera inteligente identifica os alunos que não estão presentes e envia a eles, automaticamente, uma mensagem confirmando a ausência. Segundo os responsáveis, o tempo para realizar a chamada diminuiu de, em média, sete minutos para apenas 15 segundos. O objetivo maior, no entanto, é estabelecer uma base de dados e entender quais são as razões que elevam a ausência dos estudantes. Outras instituições de ensino superior já manifestaram interesse em adotar a mesma prática.

Na Tsinghua, o cadastro das faces é usado também por razões de segurança. Quando um visitante entra no campus, inclusive, é requerido que ele cadastre seu rosto em uma ferramenta do app WeChat. No primeiro dia em que a tecnologia foi colocada em prática, cerca de oito mil visitantes passaram pela Universidade. Por conta do enorme volume de pessoas, a tecnologia surge como uma solução para a vigilância.

O reconhecimento facial é uma aplicação prática de Inteligência Artificial (IA), já que os softwares que identificam os rostos das pessoas utilizam algoritmos do tipo. No entanto, existem outras aplicações da IA nas Universidades. Segundo o portal local CCIDNET, algumas instituições realizam tours para novos alunos guiados por robôs e há até ferramentas que realizam análise de dados pessoais para auxiliar os ingressantes na escolha do curso.

No podcast MVP StartSe, discutimos o uso do reconhecimento facial na China, entre outros temas relevantes da maior potência do Oriente. Ouça abaixo: