Como vai funcionar a mobilidade aérea urbana, segundo a startup chinesa Ehang

João Ortega

Por João Ortega

16 de janeiro de 2020 às 14:05 - Atualizado há 11 meses

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A startup chinesa Ehang já realizou mais de dois mil testes de voos autônomos com seus drones de transporte de cargas e passageiros. Os veículos da empresa, assim como de concorrentes internacionais como Volocopter e Uber, são recorrentemente referidos como “táxis voadores”. No entanto, em documento divulgado nesta quarta-feira (16), a Ehang criou um plano em que a mobilidade aérea urbana será organizada de forma centralizada com rotas pré-estabelecidas.

Assine a newsletter Conexão China e receba conteúdo exclusivo semanal sobre a maior potência inovadora do Oriente!

Neste sentido, os drones de passageiros funcionariam de forma mais semelhante a linhas de ônibus do que táxis. A startup também prevê a criação de uma plataforma digital em que todos os veículos estarão cadastrados para controle do tráfego aéreo e segurança.

De acordo com a Ehang, os veículos foram desenvolvidos pela empresa chinesa já com a tecnologia necessária para integrar um sistema de controle central. Além disso, o documento afirma que previsões em relação à mobilidade aérea urbana serão superadas, visto que os primeiros voos comerciais com passageiros acontecerão ainda em 2020. Um relatório da Morgan Stanley divulgado em 2018, por exemplo, esperava que o tráfego de drones tripulados se tornasse comum em grandes cidades apenas a partir de 2040.

Outro detalhe revelado pelo documento da Ehang é que os veículos da startup provavelmente usarão o sistema de navegação Beidou. Ele é desenvolvido e aprimorado desde 2000 para concorrer com o GPS, que é vinculado aos EUA.

A startup chinesa está em processo crescente de internacionalização. Em novembro de 2019, ela abriu capital na bolsa de valores norte-americana e, na semana passada, realizou um voo teste em território dos EUA.

Venha aprender com os líderes das empresas mais inovadoras do Vale do Silício (EUA), China, Israel e Portugal