Governo brasileiro vai criar marco legal para incentivar startups

João Ortega

Por João Ortega

18 de março de 2019 às 11:42 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O governo brasileiro quer desburocratizar o ambiente de empreendedorismo e incentivar o ecossistema de startups do país.

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Ministério da Economia se reuniram, nos últimos dias 14 e 15, com representantes do setor privado para desenvolver um marco legal para startups.

Startup Style

A expectativa é que em abril um projeto seja enviado para consulta pública e também ao Congresso Nacional.

Um porta-voz do MCTIC afirmou à StartSe que “startups são prioridades do governo porque englobam a nova geração de empreendimentos, que fazem parte do novo momento da economia”.

Ele ainda disse que o marco legal quer dar “segurança jurídica” a empreendedores, embora não tenha deixado claro quais são as pautas concretas das reuniões.

VEJA: As 4 propostas concretas do Marco Legal das Startups

De acordo com a apuração da Folha de S. Paulo, as discussões acontecem em quatro eixos: tributos, relações trabalhistas, compras públicas e facilitação de investimentos.

O marco legal deve criar incentivos fiscais para investidores e evitar que eles arquem com passivos no caso de falências das empresas. Além disso, o projeto deve regularizar prestadores de serviço “freelancers” – como no caso dos motoristas do Uber – sem barrar a atuação das startups que usam este tipo de trabalho.

O governo pretende também se aproximar de empresas de tecnologia para auxiliar na digitalização e inovação em seus próprios negócios. O acesso de startups a licitações públicas será fomentado, já que, na avaliação do MCTIC, pode reduzir custos e aumentar a produtividade em diversos setores do governo.

Ainda segundo a Folha de S. Paulo, além de empresários e investidores, o projeto vem sendo elaborado com membros da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). É, portanto, um esforço conjunto entre o Estado, empresas públicas e o setor privado.