Jack Ma quer alavancar empreendedorismo na África

João Ortega

Por João Ortega

16 de outubro de 2019 às 07:54 - Atualizado há 1 ano

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Jack Ma, fundador da Alibaba, renunciou ao cargo de presidente do conselho da empresa em setembro. Na época, disse que iria dedicar-se a filantropia e projetos de educação. Em um evento realizado pela Forbes em Cingapura, ele falou vagamente sobre seus novos planos, que envolvem alavancar o empreendedorismo na África.

A análise de Ma é que, para crescer de forma sustentável, a África precisa de “três Es”: empreendedorismo, educação e e-Governo (governo digital). “Seria uma grande honra se eu ajudasse a descobrir o próximo Jack Ma, Bill Gates ou Warren Buffett na África. É isso que eu quero fazer”, afirma, sem dar detalhes de ações práticas no continente africano.

Assine a newsletter Conexão China e receba conteúdo exclusivo semanal sobre a maior potência inovadora do Oriente!

Ainda na Alibaba, em novembro, Jack Ma abriu sua plataforma global de e-commerce para comerciantes de Ruanda. A iniciativa permite que estes pequenos empreendedores atinjam um mercado consumidor amplo e diverso, e ainda vender os produtos com benefícios como desburocratização nas aduanas, suporte logístico e tarifas reduzidas. A ideia da empresa chinesa é expandir a plataforma para outros países africanos, como vem fazendo no sudeste asiático.

De acordo com Jack Ma, o ecossistema de inovação do continente africano tem um aspecto de propósito social que o difere do resto do mundo. “A maioria dos empreendedores nos nossos países querem criar uma empresa e miram o IPO. Na África, essas pessoas querem mudar a África. Querem transformar vidas”, afirma.