“Governo não desenvolve país nenhum”, afirma cofundador da Embraer

Ozires Silva falou sobre como decolar iniciativas e incentivar o ecossistema carioca

Avatar

Por Isabela Borrelli

27 de julho de 2018 às 22:38 - Atualizado há 2 anos

Ozires Silva, engenheiro aeronáutico, cofundador da Embraer, ex-ministro da Infraestrutura e das Comunicações no Brasil, abriu o Rio Summit 2018, conferência sobre inovações no Hacking Rio.

O empresário deixou claro que o futuro do Rio de Janeiro depende de todos: “É preciso existir um movimento da comunidade. Não dá para esperar que um anjo da guarda venha fazer algo, nós temos que fazer”, provocou. Para isso, ele acredita que o jeito é pensar além e ficar de olho no futuro. O também ex-presidente da Petrobrás revelou que quando estava no comando da gigante, pensava o que seria do futuro, quando o petróleo começasse a ficar escasso.

Mas não só: ao longo da sua carreira, ele também começou a perceber que as companhias financeiras estavam começando a sair do Rio de Janeiro, em sua maioria para um destino possivelmente promissor: Miami. “Conversei com Brizola, governador do Rio de Janeiro na época, e ele não concordou. Naqueles dias, eu previ o que está acontecendo hoje”, afirmou.

Como exemplo, Ozires citou o caso do Porto Maravilha, iniciativa que revitalizou a região portuária do Rio de Janeiro. Hoje, não é incomum ver estabelecimentos para alugar ou com placas de vende-se, evidências de como a região está carente de investimentos das empresas.

Ele convidou todos a pensarem no futuro da cidade e do Estado do Rio de Janeiro: “Esse país pode ser grande, quero convidá-los a pensarem grande. Governo não desenvolve país nenhum, quem desenvolve está aqui”, mencionando não somente o público que assistia a palestra como também os mais de 1200 participantes do hackathon, que teve início no fim do dia.

O Hacking Rio conta com três focos principais: desenvolvimento de novas tecnologias, conferência internacional e fórum de inovação. No total, serão 42 horas direto, onde os competidores serão divididos em 12 hackathons simultâneos, com temas que vão desde Educação, Segurança, Energia até Saúde, Turismo, e mais.