Porque Florianópolis se tornou um dos principais polos de inovação do Brasil

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

23 de agosto de 2019 às 11:08 - Atualizado há 2 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Nos últimos quatro anos, o ecossistema de inovação de Florianópolis deu um salto de desenvolvimento. De acordo com o estudo Tech Report, o setor tecnológico da cidade faturou R$ 6,7 bilhões em 2018. A capital é a segunda colocada no ranking nacional de startups por habitantes, atrás apenas de São Paulo.

Segundo Daniel Leipnitz, presidente da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), diversos fatores contribuíram para esse cenário. “A partir do momento que conseguimos transformar o mindset de todos os atores da cidade e unir forças e esforços para desenvolver coisas novas, trabalhar no empreendedorismo, nos ambientes de inovação, na internacionalização e na organização das grandes verticais, nosso ecossistema dobrou de tamanho”, disse em entrevista à StartSe. 

Em agosto, Florianópolis reuniu diversos eventos no Floripa Conecta, festival de inovação, cultura e arte. Um dos destaques foi o Startup Summit, evento de tecnologia e empreendedorismo promovido pelo Sebrae e pela ACATE. Mais de 4 mil pessoas acompanharam, durante dois dias, palestras sobre diversos temas, como o crescimento do setor tecnológico de Santa Catarina, a popularização dos super apps na China, os impactos da Lei Geral de Proteção de Dados e os próximos passos da Totvs. A StartSe acompanhou o evento e reuniu alguns destaques:

Foto: Alfabilesantana/Wikimedia Commons