Em resposta aos EUA, Huawei vai se reestruturar nos próximos cinco anos

João Ortega

Por João Ortega

13 de agosto de 2019 às 17:12 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Bloomberg teve acesso a um comunicado interno de Ren Zhengfei, CEO da Huawei, aos seus funcionários afirmando que a empresa passará por um processo de reestruturação nos próximos três a cinco anos. No entanto, o executivo não dá detalhes sobre como esta reorganização acontecerá de fato – apenas que ela será uma estratégia dentro da guerra comercial entre China e EUA. As informações foram confirmadas por um porta-voz da gigante chinesa.

Assine a newsletter Conexão China e recebe conteúdo exclusivo semanal sobre a maior potência inovadora do Oriente!

A Huawei foi colocada em uma “lista negra” do comércio dos EUA, o que proíbe empresas norte-americanas de negociarem com a chinesa, além de impedir a venda de produtos da marca em solo americano. “Balas foram atiradas contra nosso grupo de negócios ao consumidor e, infelizmente, atingiram nossa reserva de combustível”, afirmou o CEO da Huawei, no comunicado que utiliza analogias de guerra misteriosas em todo o conteúdo.

Em resposta, Ren disse que deseja criar um “exército de ferro”, o que significaria estabelecer um ecossistema próprio de suprimentos para acabar com a necessidade de importar tecnologia ocidental. Neste sentido, a Huawei lançou oficialmente o Harmony OS, sistema operacional multiplataforma que pode substituir o Android, do Google, em smartphones no futuro próximo.

O CEO da Huawei ainda destacou a liderança da empresa em tecnologias para redes 5G, ao contrário dos norte-americanos. Segundo Ren, isto pode fazer com que os EUA “fiquem atrasados no setor de Inteligência Artificial”.