Economia digital no Sudeste Asiático alcançará valor de US$ 240 bi até 2025

Avatar

Por Isabela Borrelli

19 de novembro de 2018 às 12:53 - Atualizado há 2 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Apesar de ficar à sombra da China e da Índia, a tecnologia tem um potencial de crescimento real no sudeste da Ásia, afirma o Techcrunch. Com 650 milhões de habitantes, a economia digital da região deve triplicar de tamanho e alcançar US$ 240 bilhões nos próximos sete anos, de acordo com o terceiro relatório “e-Conomy SEA”, do Google.

O estudo anual, que é de autoria do Google e do fundo soberano de Singapura Temasek, é indiscutivelmente o programa de pesquisa mais abrangente para tecnologia no Sudeste Asiático. Segundo a edição deste ano, a estimativa para o tamanho da economia digital da região aumentou: em 2025 as apostas são que ela alcance US$ 200 bilhões iniciais depois de ver a região alcançar “um ponto de inflexão”.

O Sudeste Asiático tem 350 milhões de usuários de internet nos seis maiores países – mais do que toda a população dos EUA – e os dados mais recentes sugerem que a economia da internet chegará a US$ 72 bilhões este ano, consideravelmente acima dos US$ 50 bilhões do ano passado e dos US$ 19,1 bilhões em 2015.

As viagens on-line representam a maior parte da receita (US$ 30 bilhões) à frente do comércio eletrônico (US$ 23 bilhões), da mídia on-line (US$ 11 bilhões) e das caronas compartilhadas (US$ 8 bilhões), e esse desarranjo provavelmente será mantido até 2025 , de acordo com o relatório.

A Indonésia, o quarto maior país do mundo em população, deverá atingir US$ 100 bilhões até 2025, na frente da Tailândia (US$ 43 bilhões) e Vietnã (US$ 33 bilhões) com forte previsão de crescimento em todos os setores. A Indonésia e o Vietnã, em particular, viram suas respectivas economias digitais mais que triplicarem desde 2015, de acordo com os dados.

O relatório Google-Temasek deste ano também inclui mais detalhes sobre as caronas compartilhadas, uma área particularmente fascinante no Sudeste Asiático desde que o Grab adquiriu os negócios locais da Uber no início deste ano. A Grab e seu concorrente próximo, o Go-Jek, que está se expandindo a partir de sua base na Indonésia, viram o mercado crescer consideravelmente. Os usuários diários em 2018 são de até oito milhões, sendo que eram 1,5 milhão em 2015, e os usuários mensais chegaram a 35 milhões durante o mesmo período de tempo.

O crescimento da receita na verdade está chegando mais rápido para os serviços de entrega de alimentos do que os principais serviços de transporte, o que ainda assim é um bom sinal para Grab e Go-Jek, já que as duas empresas expandiram agressivamente para serviços adicionais sob demanda. Singapura, embora seja a menor das seis maiores economias do Sudeste Asiático, com uma população de 5,5 milhões, tem uma fatia desproporcional do mercado de caronas compartilhadas da região – e isso deve continuar até 2025.

Falando de descomunal, o relatório lança alguma luz sobre como as maiores empresas da região dominam completamente seu cenário de financiamento. Empresas de bilhões de dólares no sudeste da Ásia absorveram US$ 16 bilhões dos US$ 24 bilhões investidos na região nos últimos quatro anos, com Grab responsável apenas por US$ 6 bilhões desse valor.

Todas as edições do relatório enfatizaram que as previsões de crescimento dependem dos níveis necessários de financiamento para impulsionar o ecossistema de startups do Sudeste Asiático como um todo, então o fato de que a maioria do capital está indo para alguns poucos participantes é uma preocupação. No entanto, o relatório mostra que houve progresso do restante do campo, com investimentos em não-unicórnios saltando quase o equivalente à previsão anual durante o primeiro semestre de 2018 – o que aumentou mais do que todo o ano de 2017.

“Mais de 2.000 empresas focadas em economia da internet na região garantiram investimentos, sendo que empresas avaliadas em menos de US$ 1 bilhão foram capazes de levantar coletivamente quase US$ 7 bilhões nos últimos três anos. Entre eles, o segmento mais dinâmico foi o de empresas avaliadas entre US$ 10 milhões e US$ 100 milhões. Alicerces da economia da Internet, essas empresas levantaram US$ 1,4 bilhão no primeiro semestre de 2018, já superando os US$ 1 bilhão que receberam em 2017 ”, afirma o relatório.