Governo de São Paulo comprará 208 drones para programa de vigilância

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

15 de abril de 2019 às 14:55 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O Governo de São Paulo anunciou, na sexta-feira (12), a compra de 208 drones para o programa de vigilância “Dronepol”. Os dispositivos farão parte do sistema de helicópteros “Olho de Águia” e transmitirão as imagens em tempo real ao centro de operações da Polícia Militar.

Os dispositivos serão comprados através de licitações e a expectativa é que o valor do investimento seja de mais de R$ 6,3 milhões. O objetivo é que os drones sejam utilizados para reduzir custos. O exemplo mostrado em um vídeo do Governo de São Paulo descreve equipamento com zoom e câmera térmica.

“O custo operacional para drone de alta tecnologia é 140 vezes menor do que o custo operacional de um helicóptero Águia da Polícia Militar. Com segurança absoluta, porque você não tem recursos humanos. E a funcionalidade e eficiência chega a ser superior, dado ao fato de que o drone pode fazer voos em baixa altitude”, disse o governador João Doria em um comunicado.

Atualmente, a Polícia Militar conta com 42 drones. Com a aquisição dos novos dispositivos, esse número chegará a 250. Para pilotar os drones, os policiais devem passar pelo curso de Especialização de Operador de RPAS, oferecido pelo Comando de Aviação da PM. Em 2018, 75 profissionais realizaram o curso.

A operação “Olho de Águia” permite a captação, transmissão e gravação de imagens aéreas. Até agora, o serviço é realizado majoritariamente por helicópteros. A transmissão de imagens pode ser em tempo real por internet ou rádio.

Foto: Governo do Estado de São Paulo