Como investir na Índia? Dicas de um Venture Capital

Avatar

Por Isabella Marques

6 de março de 2018 às 17:06 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

No dia 20 de Janeiro, segundo dia do nosso programa na Índia, estávamos começando a nossa agenda em Nova Déli – a capital indiana. Em pleno sábado tivemos uma manhã agitada entre conversas com startups e investidores de venture capital do país.

Ashish Kumar, um venture capital indiano, compartilhou sua trajetória pessoal e várias dicas pra quem busca investir na Índia. Ele veio de uma família de classe média e estudou no Indian Institute of Technology (a quarta universidade do mundo que mais forma fundadores de unicórnios, até mesmo mais que o MIT) de onde emendou uma temporada de três anos nos Estados Unidos trabalhando na Microsoft, antes de voltar a empreender na Índia e posteriormente integrar o time da Fundamentum Partnership – um dos maiores VC’s do país.

Com foco em investimento em startups que estão buscando Series B, a Fundamentum Partnership é um fundo de U$ 200 milhões destinado a construir empresas de tecnologia duradouras na Índia. Foi criada pelo bilionário Nandan Nilekani – co-fundador da Infosys (segunda maior empresa de TI indiana) – em parceria com o veterano de venture capital indiano Sanjeev Aggarwal, e juntos começaram a convidar empreendedores bem sucedidos como o Ashish à compartilhar do seu propósito através da Fundamentum.

Ashish compartilhou conosco sua visão de que a Índia de hoje é a China de 10 anos atrás (durante aquele processo de crescimento desenfreado), porém com ainda mais oportunidades. Pelo fato da economia não ser fechada o país possibilita a muitos estrangeiros que façam parte desse crescimento.

Ele considera que investir na Índia agora e nos próximos dois anos é muito barato, pois espera-se um crescimento de 100% ao ano. Daqui alguns anos, o crescimento continuará alto (em torno de 30%) mas caro se comparado à oportunidade de agora.

Ele ainda indicou as áreas mais promissores de se investir na Índia: varejo, transporte, logística e viagem. Se o investimento for de curto prazo ele recomenda healthcare, educação e aeroespacial (que deve demorar de 8 à 10 anos pra se desenvolver) .

Sobre como investir na Índia ele deu dois caminhos interessantes:

  1. No primeiro caso, se você busca investir direto em startups, ele recomenda passar mais tempo no país pra conhecer as pessoas, se familiarizar com a cultura e cultivar relacionamentos.
  1. Na segunda alternativa, de investir em fundos de Venture Capital já estabelecidos, a sugestão é de mapear o mercado e fazer co-investimentos em seed-stage com os VC’s, aproveitando pra que eles te apresentem os empreendedores no momento do investimento.

A recomendação é fazer ao menos dois coinvestimentos antes de fazer um próprio para entender o mercado e aprender com a experiência. Ele apontou que empresas como Uber e Amazon por exemplo, dificilmente conseguem penetrar o mercado com sucesso pois não entendem o mercado local, a cultura e particularidades da Índia.

Nossa próxima Missão é para Israel, país conhecido como Startup Nation e que tem um dos maiores índices de startup per capita do mundo! Para ir conosco, basta se inscrever aqui.