Startup de robótica chinesa levanta US$ 44 milhões e desenvolve kit “faça você mesmo”

Ao contrário de robôs prontos, os kits “faça você mesmo” da Makeblock precisam ser montados e os usuários escrevem seu software

Avatar

Por Lucas Bicudo

30 de agosto de 2018 às 17:01 - Atualizado há 1 ano

robô

A Makeblock, uma das startups de robótica de Shenzhen, afirma que fechou uma rodada de Série C, no valor de 300 milhões de yuans (US$ 44 milhões), liderada pela CICC Alpha. Com o novo investimento, a startup está avaliada em 2,5 bilhões de yuans.

Ao contrário de robôs prontos, os kits “faça você mesmo” da Makeblock precisam ser montados e os usuários escrevem seu software. Embora a empresa seja pouco conhecida fora da área, crianças em mais de 20 mil escolas em todo o mundo podem ter uma introdução à codificação jogando com os kits, semelhantes aos Lego.

Uma dessas escolas é a AltSchool, uma empresa educacional do Vale do Silício fundada por um ex-executivo do Google e apoiada por investidores, como o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg. 7 mil escolas de ensino médio na França e mais de 50% das escolas de ensino médio em Hong Kong usam os produtos da Makeblock.

A Makeblock está entre uma série de startups chinesas que vivem uma onda de interesse e demanda por educação sobre robótica, que é vista como uma força essencial por detrás da construção da força de trabalho do amanhã. A China fez do desenvolvimento da Inteligência Artificial – uma forma avançada de ciência mecânica – uma prioridade nacional, na medida em que continua empurrando a economia para uma direção liderada pela ciência e tecnologia.

“A concorrência na China é mais forte do que no exterior e é mais um mercado voltado para políticas, com muitos fabricantes de robôs se transferindo para o setor educacional”, disse Wang Jianjun, fundador e presidente-executivo da Makeblock, em uma entrevista em Shenzhen.

O maior mercado da Makeblock é os EUA e 70% das vendas foram provenientes de países estrangeiros no ano passado. Espera-se que isso diminua para 60% este ano, enquanto sua participação no mercado doméstico chinês subirá para 40%.

O novo investimento será usado principalmente para impulsionar os esforços de marketing, bem como para pesquisa e desenvolvimento, disse Wang, que tem 500 funcionários e subsidiárias nos Estados Unidos, Holanda, Japão e Hong Kong. “Sinto que os investidores estão mais cautelosos na seleção de projetos [em comparação com sua atitude anos atrás]”, acrescentou.

A Makeblock planeja lançar novos produtos em outubro, está trabalhando com mais de 1.600 parceiros globalmente e formou parcerias estratégicas com a japonesa SoftBank.

StartSe de olho na China!

A StartSe traz para São Paulo o China Day Conference, evento completamente focado em discutir pontos como esses com maior profundidade! Se você quer saber ainda mais sobre a China, não deixe de conferir nossa semana de imersão por lá, liderada por Ricardo Geromel.

(via South China Morning Post)

Baixe já o aplicativo da StartSe

App StorePlay Store