Conheça a trajetória de Jack Ma, o homem que revolucionou o varejo

Ma planeja deixar o cargo de presidente executivo da Alibaba para dedicar seu tempo e dinheiro a projetos filantrópicos relacionados à educação

0
shares

Jack Ma nasceu Ma Yun, em Hangzhou, 1964. Se seu histórico, sua educação e, sobretudo, o caminho para seu sucesso pudessem ser resumidos em algumas características, elas certamente seriam falha, rejeição, determinação, mais uma vez determinação, trabalho árduo, agilidade e visão. Ao longo de toda sua vida, desde a infância, até a experiência de construir um gigante global de tecnologia multibilionário, ele falhou muitas vezes, foi rejeitado e considerado louco. O próprio pai de Ma estava entre seus detratores proeminentes – segundo ele, suas ideias eram "perigosas".

Ma planeja deixar o cargo de presidente executivo da Alibaba para  dedicar seu tempo e dinheiro a projetos filantrópicos relacionados à educação. A saída do executivo, que só ocorrerá em setembro de 2019, quando a Alibaba completará duas décadas de vida, significa o ”começo de uma nova era”, disse ele ao jornal americano The New York Times. "Essa transição demonstra que a Alibaba avançou para o próximo nível de governança corporativa, de uma empresa que depende de indivíduos para uma construída baseada em sistemas de excelência organizacional e uma cultura de desenvolvimento de talentos". Como sucessor, Jack Ma nomeou Daniel Zhang, o atual CEO da empresa. “Sua mente analítica é incomparável, ele ama a nossa missão e visão, ele abraça a responsabilidade com paixão e tem a coragem de inovar e testar modelos de negócios criativos”, o avaliou.

Uma história de rebeldia

Jack Ma aprendeu mais com os fracassos dele e dos outros do que com os canais tradicionais de educação, por exemplo. Como ele declarou em uma entrevista com Charlie Rose, em Davos, "falhei duas vezes no teste da escola primária, falhei três vezes no teste do ensino fundamental, falhei duas vezes no vestibular e quando me formei fui rejeitado por mais vezes. Eu fui o único entre cinco candidatos à força policial a ser rejeitado e o único dos 24 candidatos a ser gerente do KFC a ser rejeitado. Eu me candidatei a Harvard dez vezes, fui rejeitado dez vezes e eu disse a mim mesmo que ‘algum dia eu deveria ensinar lá’ “.

No entanto, ao contrário de exemplos como Mark Zuckerberg, Bill Gates ou Steve Jobs, que largaram os estudos precocemente, Jack Ma obteve seu MBA da Universidade Cheung Kong, enquanto construía a Alibaba no início dos anos 2000. Embora crítico das práticas tradicionais de ensino, especialmente nas escolas de negócios, Ma gosta de acadêmicos. Ele era um professor universitário de inglês e fala sobre o tema quando planeja seu futuro.

Ma lutou academicamente, especialmente ao longo de seus primeiros anos em escolas primárias e secundárias, onde ele falhou repetidamente. No entanto, ele se destacou nas coisas que ele era apaixonado e conseguiu se ensinar Inglês. Durante esses anos de formação, Ma pensou que, enquanto ele mantivesse sua determinação e trabalhasse para alcançar seus objetivos, ele teria uma chance de sucesso. Ma disse: "Se você nunca tentou, como você sabe que não há chance?".

Quando alguém escuta objetivamente os discursos de Ma sobre seus primeiros anos de caminhada, pode-se observar que ele aprendeu mais experimentando, observando e questionando o status quo. Quando adolescente, ele aprendeu inglês e aperfeiçoou-o, tornando-se um guia turístico para estrangeiros. Através desses turistas, ele se relacionou com alguns de seus clientes e com sua interação com alguns parentes na Austrália, aprendeu muito sobre o mundo exterior - especialmente o mundo ocidental. Mais importante, ele desenvolveu um nível de cabeça que o levou a questionar o mundo ao seu redor.

Essa capacidade de questionar e reexaminar problemas ajuda-o a olhar para situações de vários ângulos e ver oportunidades onde a maioria vê apenas problemas. Por exemplo, quando a maioria das pessoas temia realizar o comércio eletrônico na China, devido a um sistema de pagamentos não confiável, Ma conseguiu que a Alibaba construísse o Alipay sem a aprovação das autoridades bancárias chinesas e com o risco de sua liberdade pessoal. Agora, o Alipay facilita mais negócios globalmente do que o PayPal, medido em dólares americanos.

Ele é fortemente influenciado pelos ensinamentos de artes marciais, especialmente o Tai Chi, que ele afirma ajudá-lo a encontrar o equilíbrio, que ele aplica tanto à sua vida pessoal quanto profissional.

Frustrado com a falta de oportunidades de emprego sólidas depois de se formar no início dos anos 1990, Ma contou com o seu inglês para lecionar na Hangzhou Teacher's College. que ele havia frequentado alguns anos antes para iniciar um negócio de serviços de tradução. Em sua primeira visita aos Estados Unidos em 1995 como tradutor, Ma tomou conhecimento da Internet. Depois de fazer uma busca por cerveja de vários países, ele ficou chocado ao saber que não havia representantes da China online. Viu aí imediatamente as oportunidades potenciais de negócios da internet e como isso poderia facilitar a maneira como pequenas e médias empresas chinesas poderiam fazer negócios com o resto do mundo.

Ma e seus amigos decidiram lançar um site sobre produtos chineses online. Conhecido como "Chinapage", o site listou empresas chinesas e seus produtos. Embora Ma recebesse investigações de todo o mundo, o interesse era marginal o suficiente para que a Chinapage lutasse. Na esperança de um melhor financiamento, Ma decidiu associar-se a um órgão governamental, distribuindo o controle majoritário da Chinapage no processo.

Infelizmente, essa entidade trouxe uma burocracia rígida, sufocando o controle de Ma e sua capacidade de executar sua visão para a empresa. Eventualmente, Ma deixou o projeto. Após o fiasco da Chinapage, ele assumiu um emprego no governo, trabalhando por um curto período no Ministério do Comércio Exterior e Cooperação Econômica na segunda metade dos anos 90. Foi nesse papel que Ma encontrou Jerry Yang, co-fundador do Yahoo. Os dois se tornaram amigos, e Jerry acabou garantindo um investimento do Yahoo de cerca de US$ 1 bilhão na Alibaba em 2005.

Em 1999, depois de deixar o emprego no governo, Ma tentou outra vez em empreendimentos de Internet. Ele reuniu um grupo de potenciais investidores em sua casa e os vendeu em seu sonho de fundar a Alibaba com o objetivo de facilitar o comércio internacional para pequenos e médios empreendimentos da China.

A Alibaba nasceu do sonho não realizado de Ma de usar a Internet para facilitar as atividades de negócios para as PMEs chinesas e a frustração com os burocratas com quem trabalhava na Chinapage. No caso anterior, sua ideia de usar a Internet como um meio para facilitar o comércio de produtos feitos na China no mercado internacional foi repetidamente rejeitada.

A Alibaba, por outro lado, permitiu que os exportadores postassem listagens de produtos para compra direta pelos clientes. No final de 1999, Ma conseguiu convencer o Goldman Sachs e o SoftBank a investir US$ 5 milhões e US$ 20 milhões, respectivamente, em sua empresa.

Em 2003, período em que a Alibaba ainda não era lucrativa, Ma e sua equipe lançaram um site de leilões online chamado "Taobao.com". O Taobao cobrava comissão zero, com o objetivo de enfrentar a gigante do e-commerce multinacional eBay, que já detinha a maior parte dos chineses online. Determinado a vencer o eBay, o Taobao permaneceu como um mercado livre de comissões para milhões de comerciantes online, colocando a jovem Alibaba sob pressão financeira significativa. Para se manter à tona e manter a política livre de comissões da plataforma, Ma e sua equipe começaram a oferecer serviços de suporte de valor agregado periféricos (como páginas da Web personalizadas para comerciantes online) por uma pequena taxa.

O Taobao acabou ganhando força no mercado chinês e o eBay retirou-se da China. Ma refletiu sobre esse período desafiador mais tarde, sugerindo que "se o eBay é o tubarão no oceano, nós somos os crocodilos no rio Yangtze". Taobao foi a primeira subsidiária bem-sucedida da Alibaba, com muitas ramificações adicionais a serem seguidas nos anos subsequentes. Com o boom das pontocom estourado no começo dos anos 2000, a Alibaba enfrentou sérios desafios devido à sua expansão agressiva nos mercados internacionais. Jack Ma reorganizou com sucesso as operações da empresa, incluindo o fechamento de muitas filiais internacionais e com foco no fortalecimento da posição da Alibaba no mercado chinês. Posteriormente, Ma expandiu os serviços da Alibaba e retomou sua estratégia de expansão internacional.

Depois que Ma e a Alibaba reorganizaram suas operações e deixaram sua marca ao ultrapassar com sucesso o eBay no mercado chinês, com a ajuda de Jerry Yang, Ma conseguiu convencer o Yahoo a investir US$ 1 bilhão em troca de uma participação de 40% na Alibaba em 2005. Fundo crucial e necessário para ajudar a Alibaba a executar sua estratégia de crescimento internacional, além de ter rendido uma avaliação de US$ 2,5 bilhões com apenas seis anos de empresa. A aposta valeu a pena para o Yahoo também; a empresa americana de internet ganhou cerca de US$ 10 bilhões durante o IPO da Alibaba.

Em 2013, Ma deixou o cargo de CEO da Alibaba, embora tenha mantido o cargo de presidente executivo. A empresa abriu o capital em 19 de setembro de 2014. O IPO rendeu US$ 150 bilhões, a maior oferta para uma empresa listada nos EUA na história da NYSE. Instantaneamente, Ma tornou-se o homem mais rico da China, com um patrimônio líquido de cerca de US$ 25 bilhões.

Em 2016, a Alibaba foi reconhecida como a maior e mais valiosa varejista do mundo, depois que suas receitas superaram as de gigantes como Walmart, Amazon e eBay. Também superou a Amazon, o Google e a Microsoft no crescimento da receita proveniente de seu serviço de nuvem pública. Com entidades na produção de filmes, streaming de música e filmes, aprendizado online, microblogging, reservas de viagens, aplicativos móveis, mapas online e muito mais, o Alibaba Group mostrou ao mundo que a China era uma força a se enfrentar e seu crescimento estava estabelecido e pronto para se tornar exponencial.

Impulsionado por seu IPO e receitas meteóricas, a Alibaba gastou US$ 10 bilhões e US$ 11 bilhões em 2016 e 2017, respectivamente, em investimentos na UCAR, mais uma vez na Didi Chuxing e One97 Communications (Paytm), Ele.me, Lazada Group, Tokopedia, China Unicorn, Qiniu e Giant Sun Art Retail Group. Enquanto isso, graças à sua impressionante divisão de pesquisa (Aliresearch), a Alibaba começou a liderar a revolução de Inteligência Artificial - usando Machine Learning para impulsionar vendas, marketing e atendimento ao cliente. Em janeiro de 2018, a Alibaba fez história ao se tornar a segunda empresa asiática a superar a marca de US$ 500 bilhões de valuation (depois da Tencent).

Em setembro de 2018, o valor de mercado da Alibaba é superior a US$ 400 bilhões, o que a coloca como uma das 10 maiores empresas do mundo. São 550 milhões de usuários mensais ativos em suas diversas plataformas. De e-commerce e sistemas de pagamentos, a serviços em nuvem e Inteligência Artificial, restam poucos setores nos quais a Alibaba ainda não estabeleceu uma forte presença de mercado.

O Alibaba Group está envolvido em uma série de pesquisas e iniciativas de Inteligência Artificial, em uma tentativa de concretizar sua visão principal: tornar mais fácil fazer negócios em qualquer lugar do mundo. Isso é de acordo com um cientista-chefe do grupo e diretor associado de inteligência e tecnologia de máquinas, Xiaofeng Ren, que falou na CeBIT sobre como desenvolver aplicativos de IA capazes de potencializarem o futuro dos negócios.

“A Alibaba mudou a vida cotidiana dos chineses. Olhando para o futuro, nosso líder visionário, Jack Ma, quer que consigamos atingir dois bilhões de consumidores e ajudar 10 milhões de empresas em todo o mundo. Essa é uma ligação muito grande, mas já temos metade das plataformas no lugar certo para operar essa revolução”.

(via Investopedia)

StartSe de olho na China!

A StartSe traz para São Paulo o China Day Conference, evento completamente focado em discutir pontos como esses com maior profundidade! Se você quer saber ainda mais sobre a China, não deixe de conferir nossa semana de imersão por lá, liderada por Ricardo Geromel.

Atualize-se em apenas 5 minutos


Receba diariamente nossas análises e sinta-se preparado para tomar as melhores decisões no seu dia a dia gratuitamente.

Comentários