Na crise, surgem oportunidades: China “salva” 77 mil vidas com redução da poluição

João Ortega

Por João Ortega

17 de março de 2020 às 17:02 - Atualizado há 4 meses

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

É impossível prever quais serão as consequências do surto do coronavírus em escala global. A economia deve sofrer impacto negativo, sistemas de saúde serão sobrecarregados e, infelizmente, muitas pessoas irão morrer. No entanto, estudos já identificam que, da crise, surgem boas notícias e oportunidades para a sociedade evoluir em diversos sentidos.

Uma pesquisa da Universidade de Stanford, nos EUA, verificou a diminuição da poluição em quatro das maiores cidades da China (Pequim, Xangai, Guangzhou e Chengdu) no período em que a grande maioria da população ativa do país trabalhava de suas casas. De acordo com reportagem da Forbes, o professor Marshall Burke, encarregado pelo estudo, focou na concentração das micropartículas PM2.5 – maiores responsáveis por mortes relacionadas à poluição do ar.

Ao longo dos últimos três meses, nas quatro cidades analisadas, a estimativa do pesquisador é de que 77 mil vidas foram “salvas” por conta da drástica redução da poluição atmosférica. Isto porque houve menor deslocamento em automóveis com as pessoas passando a maior parte do tempo em suas casas, a atividade industrial desacelerou radicalmente e gastos energéticos em geral foram minimizados.

Para tornar o estudo ainda mais realista, Burke restringiu a amostra para crianças com menos de cinco anos e idosos acima de 70. Isto porque estes são os grupos mais propensos a morrer por complicações relacionadas à micropartícula PM2.5. No caso, as vidas salvas teriam sido de 4000 crianças e 73 mil idosos.

“Mesmo sob essas premissas mais conservadoras, as vidas salvas devido à redução da poluição são aproximadamente vinte vezes o número de vidas que foram perdidas diretamente pelo vírus”, afirma Marshall Burke. “De maneira mais ampla, o fato de que uma interrupção dessa magnitude possa realmente levar a alguns grandes benefícios sugere que nossa maneira normal de fazer as coisas precisa de disrupção”.

Oportunidade de disrupção

O pesquisador de Stanford lamenta que, neste momento, a taxa de poluição no ar na China está voltando a subir. Isto porque a situação do coronavírus no país já está controlada e, de forma gradual, a rotina está voltando ao normal.

Há, no entanto, uma oportunidade para a China utilizar estes dados para buscar formas de reduzir a poluição. Não é um processo fácil sem prejudicar a economia do país, é claro. Mas o que a inesperada “quarentena” no início deste ano revelou sobre a saúde pública na China não pode ser ignorado.

Este raciocínio pode ser replicado para outros países e também para o mundo empresarial. Em toda crise surgem oportunidades. Segundo Felipe Lamounier, head de missões internacionais da StartSe, “a questão do home-office nunca será a mesma depois do surto do coronavírus”. A previsão do executivo é de que as empresas comecem a adotar essa forma de trabalho para parte de seus funcionários quando a situação de saúde no Brasil seja normalizada.

Neste sentido, a StartSe quer ajudar o ecossistema de empresas do país a repensar suas organizações e seus métodos de trabalho. Ademais, a empresa quer que os profissionais brasileiros encontrem um recomeço nas suas carreiras visando o mercado de trabalho do futuro. Para isso, foi criado o ReStartSe, o maior programa de capacitação ONLINE e GRATUITO do Brasil, com aulas diárias durante o período em que a maioria dos brasileiros deve ficar em casa. Saiba mais!