China lança plataforma online para que 180 milhões de alunos continuem estudando

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

17 de fevereiro de 2020 às 18:03 - Atualizado há 7 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Com mais de 70 mil casos confirmados de coronavírus, a China adiou o início de seu semestre escolar, previsto para começar nesta segunda-feira. Em paralelo, o Ministério da Educação chinês vem buscando soluções para garantir que mais de 180 milhões de estudantes possam continuar aprendendo, mesmo com o fechamento das escolas. 

Pensando nisso, o órgão lançou uma plataforma nacional em nuvem para transmitir aulas para alunos do ensino fundamental e médio. Por meio dela, os estudantes podem acessar mais de 160 lições em 12 disciplinas. Nos próximos dias, professores atualizarão os conteúdos com novos materiais.

Para garantir que o sistema funcione, o governo contou com a ajuda de grandes empresas chinesas. De acordo com a emissora CCTV News, companhias como China Mobile, China Unicom, China Telecom, Huawei, Baidu e Alibaba garantirão que a plataforma suporte até 50 milhões de alunos online simultaneamente. Além disso, os professores poderão usar o Dingtalk — plataforma de transmissão ao vivo da Alibaba — para dar aulas.

Algumas escolas de Pequim também estão usando plataformas online para incentivar seus alunos a compartilharem tudo aquilo que aprenderam com a epidemia do coronavírus. Os estudantes podem escrever ou enviar vídeos sobre o que acompanharam nos últimos dias e maneiras de prevenir a doença. 

Saiba mais: Coronavírus na China cria a maior experiência de home-office da história

Além das escolas, grandes universidades da China também estão testando métodos de ensino online. A Universidade de Pequim, por exemplo, já ofereceu mais de 500 aulas de graduação para os alunos em uma plataforma digital, com 290 delas por transmissão ao vivo. Além disso, os alunos podem participar de discussões realizadas por chats e grupos online.

O aprendizado continua

De acordo com as autoridades, a plataforma lançada não substitui o início do ano letivo. Ainda não há previsão de quando as escolas retornarão as atividades, mas uma coisa é certa: para os chineses, o aprendizado não pode parar. Com ajuda do novo sistema online, os alunos são incentivados a continuar estudando, mesmo em casa.

A educação tem um papel fundamental em um dos países mais inovadores do mundo. O incentivo do governo em escolas, universidades e novas tecnologias reflete, inclusive, no número de estudantes que já saem prontos para empreender. Para entender mais sobre o sistema de educação de um dos países mais inovadores do mundo, participe da Missão Edtech China