China é o primeiro país a pousar em “lado oculto” da Lua — e traz imagens

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

3 de janeiro de 2019 às 15:09 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A China aterrissou, nesta quarta-feira (3), no “lado oculto” da Lua. A sonda não tripulada Chang’e 4 foi lançada no dia 8 de dezembro por um foguete Long March-3B e aterrissou 10h26 no horário de Pequim, segundo informações da Administração Espacial Nacional da China (CNSA).

Foto capturada pela sonda não tripulada Chang’e 4 | Crédito: CNSA

O lançamento aconteceu no Centro de Satélites Xichang, em Sichuan, no sudoeste do país. De acordo com a CNSA, a sonda entrou em órbita elíptica no dia 30 de dezembro, e hoje alcançou o “lado escuro da Lua” – ou seja, aquele que nunca foi visto da Terra e nem explorado, já que há uma rotação sincronizada entre elas.

A missão do Chang’e, é recolher amostras, examinar a geografia, a atmosfera, topografia e a geologia do local, permitindo que os chineses estudem e conheçam o espaço.

Foto capturada pela sonda não tripulada Chang’e 4 | Crédito: CNSA

Essa não é a primeira missão espacial da China. Em 2013, ela se tornou o terceiro país, depois dos Estados Unidos e Rússia, a aterrizar na Lua com uma sonda não tripulada. Na época, as imagens foram transmitidas ao vivo por diversos canais chineses.

Hoje, o país conseguiu um feito histórico – se tornando o primeiro a chegar na região nunca explorada. A iniciativa faz parte do programa Chang’e, que tem como objetivo levar uma missão tripulada à Lua a longo prazo, tornando a China uma potência espacial.