Após 20 anos, China vai lançar sistema de geolocalização para concorrer com GPS

João Ortega

Por João Ortega

12 de dezembro de 2019 às 06:27 - Atualizado há 12 meses

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Desde 2000, a China desenvolve o Beidou, sistema de geolocalização independente do Global Positioning System (GPS), que é vinculado ao Departamento de Defesa dos EUA. A terceira versão do programa por satélites será lançada em 2020 e, pela primeira vez, funcionará em escala global e aberta a usuários fora da China (as duas primeiras versões ficavam restritas à região sudeste do continente asiático).

Assine a newsletter Conexão China e receba conteúdo exclusivo semanal sobre a maior potência inovadora do Oriente!

Os últimos satélites que serão integrados ao Beidou serão lançados ao espaço dentro dos próximos doze meses. No total, são 35 estações espaciais responsáveis pela localização precisa de quem utilizar o programa na Terra. O sistema é gerido pelo órgão governamental Administração Espacial da China.

O Beidou será amplamente divulgado e promovido em países que participam da iniciativa ‘Belt and Road’. Por meio dela, a China amplia sua presença no exterior com investimentos pesados em infraestrutura, especialmente no setor de transporte. O mercado global de geolocalização atingiu US$ 40 bilhões em 2017, segundo a consultoria Grand View Research.

Embora a estratégia de criar um sistema independente dos EUA date de 20 anos atrás, ela nunca foi tão relevante quanto nos dias de hoje. A disputa comercial entre as potências mundiais chegou ao setor de tecnologia e ambos os países querem desenvolver e utilizar hardware e softwares “dentro de casa”. Nesta semana, inclusive, foi veiculado na imprensa local que a China está removendo todo equipamento estrangeiro de escritórios governamentais.

Edtech 2020: Saiba como as novas tecnologias para a educação estão transformando os negócios