Baidu lidera investimento de US$ 300 milhões para levar buscas para o offline

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

14 de novembro de 2018 às 15:41 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

O Baidu é o principal serviço de busca para internet na China. Agora, a empresa liderou uma rodada de investimentos no valor de US$ 300 milhões na Xinchao Media, companhia de anúncios para elevadores e outros lugares de uso comum. A iniciativa demonstra que o Baidu está cada vez mais interessado em aumentar sua presença também no mundo offline, mesmo quando as pessoas estão longe de seus smartphones ou computadores.

Segundo o Techcrunch, a empresa chinesa demonstrou o interesse de contribuir com sua inteligência em big data e algoritmos, enquanto a Xinchao Media irá trazer o Baidu para seus anúncios em cinemas, escritórios, TVs inteligentes e de supermercados. A empresa investida afirma veicular anúncios em 700 mil elevadores, de mais de 100 mil cidades chinesas.

Essa não é uma iniciativa realizada apenas pelo Baidu: recentemente, o Alibaba investiu US$ 2 bilhões na Focus Media, principal rival da Xinchao. Para o Baidu, ter grandes concorrentes como o Alibaba e a Focus Media é perigoso, já que o marketing online figurou 80% das vendas totais da empresa neste terceiro trimestre.

Atualmente, as grandes empresas chinesas controlam também os maiores meios de comunicação e propaganda – segundo o Analysys, em 2017, o Alibaba controlava 33% desse mercado, enquanto o Baidu e Tencent seguiam atrás com 24% e 13%, respectivamente.

Investir na presença offline é uma forma do Baidu assegurar sua liderança no setor, principalmente com grandes concorrentes mundiais começando a olhar mais atentos à China. Esse é o caso do Google, por exemplo, que deixou o país há quase uma década, mas está planejando lançar um buscador exclusivo para voltar à região.