Novo aeroporto de Pequim tem sistema de viagem inteligente com 5G

João Ortega

Por João Ortega

24 de setembro de 2019 às 18:06 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O Aeroporto Internacional de Daxing, em Pequim, vai iniciar operação a partir de outubro, após quase quatro anos de construção do primeiro terminal. O espaço reservado para o aeroporto é de 47 km², o que faz dele o segundo maior do mundo. A expectativa é que ele tenha capacidade para receber 45 milhões de passageiros até 2021, quando um novo terminal deve ser inaugurado.

Além do tamanho, o mais novo aeroporto da capital da China destaca-se pela inovação na experiência dos passageiros. A Huawei, fabricante de hardware para telecomunicações, a China Unicom, operadora de telefonia móvel, e a China Eastern Airlines, companhia aérea, se uniram para implementar novas tecnologias a partir da conexão de alta velocidade 5G.

O sistema de viagem inteligente permite que passageiros da China Eastern realizem o check-in, despachem a bagagem, passem pela segurança e entrem no avião sem documentos ou passagens. O procedimento inteiro é feito com reconhecimento facial. Para monitoramento das bagagens despachadas, os passageiros podem requerer cartões com radiofrequência que permitem localizá-las em tempo real pelo smartphone.

“Estes serviços, entregues com uso de 5G, inteligência artificial e realidade aumentada, estabelecem o padrão para a nova geração de aeroportos inteligentes. O aeroporto é um modelo para utilização da rede 5G na indústria da aviação civil”, afirma a Huawei em comunicado à imprensa. Em testes, a velocidade da conexão no local superou 1,2 gigabit por segundo, o que corresponde a cerca de cem vezes a velocidade do 4G.

O reconhecimento facial também será adotado na segurança do aeroporto, inclusive na imigração. A expectativa é de acelerar este processo, utilizando visão computacional de câmeras inteligentes para rapidamente identificar passageiros e “bater” as informações com a base de dados nacional.