Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


O que é melhor: venture capital, venture debt ou equity crowdfunding?

Cada modalidade de financiamento atende diferentes necessidades e estágios de desenvolvimento da startup.

O que é melhor: venture capital, venture debt ou equity crowdfunding?

, Head de Conteúdo na Captable

6 min

2 ago 2022

Atualizado: 11 jan 2023

Por Juliana Irala, da Captable Brasil.

Grande parte das startups precisam passar por diversas rodadas de investimentos para crescer. No mercado, atualmente, há diversas modalidades de financiamento disponíveis – e é essencial que os empreendedores tenham conhecimento delas para garantir que a quantidade captada é a necessária e para dar o direcionamento adequado ao negócio.

Dentre as modalidades, estão venture capital, venture debt e equity crowdfunding. Nesse artigo, explicamos o que é cada uma delas.

VENTURE CAPITAL

Nessa modalidade de financiamento os recursos são aplicados em empresas de pequeno e médio porte, com potencial de crescimento rápido e rentabilidade alta. Aqui, mais do que um simples financiamento, os investidores recebem, em troca do capital aplicado, ou um lote de ações ou direitos de participação. Assim, se o negócio tiver um bom desempenho, os investidores ganham um bom retorno em cima do valor que aportaram.

No Brasil, os fundos de venture capital são regulados pela Comissão de Valores Mobiliários, sendo constituídos como Fundos de Investimento em Participações (FIP) ou Fundos Mútuos de Investimento em Empresas Emergentes (FMIEE). Esses fundos aportam recursos de diferentes investidores e decidem em quais startups os recursos serão aplicados.

VENTURE DEBT

Enquanto no venture capital a startup entrega participação aos investidores, no venture debt a dívida é não conversível – ou seja, os investidores não serão sócios da startup e, sim, credores. 

Essa modalidade de financiamento atrai empreendedores que não desejam diluir sua participação. Mas, para conquistar uma rodada desse tipo, a startup tem que já ser rentável e possuir alto potencial de crescimento – isso porque precisará devolver o dinheiro aos credores ao final do período, acrescido de juros.

O venture debt é uma modalidade ainda pouco utilizada pelas startups brasileiras, mas nos Estados Unidos esse mercado chega a representar cerca de 20% a 25% da fonte de captação de recursos de empresas que se financiam através de instituições de capital de risco.

EQUITY CROWDFUNDING

Em resumo, o equity crowdfunding é um financiamento coletivo aberto a todas as pessoas que querem investir em startups, mas que antes ficavam de fora desse mercado por não possuírem valores altos para aportar. 

Hoje, através das plataformas de investimento em startups, como a Captable, os investidores podem investir a partir de mil reais. Em troca do valor aportado, os investidores recebem uma “parte” da empresa – uma dinâmica muito parecida com o que acontece no venture capital. Inclusive, há com frequência nas plataformas o coinvestimento de grandes fundos de VC e aceleradoras com os investidores de “varejo”.

Para as startups, as plataformas têm sido uma opção relevante, pois possuem processos seletivos mais rápidos e captações mais rápidas. Além disso, as plataformas também oferecem uma visibilidade maior para a startup e podem ser uma maneira, até mesmo, de conquistar novos clientes e embaixadores da marca.

POR QUE IMPORTA?

Durante a trajetória de crescimento de uma startup, ela tem que passar por diversas rodadas de investimento. Assim, é importante que os empreendedores se planejem com antecedência para buscar rodadas mais adequadas para o estágio do seu negócio e com termos melhores – é recomendado de 6 a 12 meses de antecedência à necessidade de capital para que seja possível construir um relacionamento com potenciais investidores. Com mais tempo para aguardar a rodada, é possível analisar todas as oportunidades com calma e negociar as questões de governança.

Para ter a chance de ser sócio desses negócios com crescimento acelerado, conheça a Captable, plataforma de investimento em startups da StartSe e confira as startups disponíveis para investimento. Para ficar sabendo em primeira mão de novas oportunidades, participe do grupo exclusivo do Telegram! Se você quer captar conosco, saiba mais e se inscreva no nosso processo de seleção.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Victor Marques é Head de Conteúdo na Captable, maior hub de investimentos em startups do Brasil, que conecta seus mais de 7000 investidores a empreendedores com negócios inovadores. Escreve há mais de dois anos sobre inovação. Formado em Letras e Mestre em Linguística pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo