Sou Aluno
Sobre Nós
Para Você
Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Comunidades
Tools
Parcerias

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Comunidades

Amplie seu networking, encontre parceiros de negócios e discuta as maiores tendências e inovações com a alta liderança do mercado


90% dos brasileiros não compraria mais em sites da China com taxação

Com a possibilidade de taxação, plataformas chinesas como Shein deixariam de ser opção para brasileiros, conforme pesquisa

90% dos brasileiros não compraria mais em sites da China com taxação

, Redator

5 min

26 jun 2023

Atualizado: 27 jun 2023

Receba conteúdos exclusivos do AGORA

Fique por dentro das últimas novidades e tendências do mercado com nossos conteúdos exclusivos!

Em pesquisa realizada pelo Instituto PNH em parceria com a StartSe, dados apontam que como preço é o principal valor competitivo em sites de lojas chinesas, o imposto seria um impeditivo para mais compras por lá. Pelo menos é o que diz 90% da amostra. 

A pesquisa Perfil e preferências do consumidor brasileiro em sites de lojas brasileiras e lojas de produtos da “China surgiu para entender o impacto no e-commerce e o que guia os consumidores na hora de comprar on-line. O levantamento foi realizado através de contatos telefônicos, utilizando a técnica de amostra aleatória simples, no mês de maio -- logo depois da notícia da possível taxação da Shein. 

85% fazem ou já fizeram compras on-line

Mais de 8 em cada 10 brasileiros tem alguma frequência de compras online e 49% realizam pelo até uma compra por mês. Outro dado aponta que homens fazem compras com mais frequência que as mulheres. Entre as regiões, o Centro-Oeste lidera, com 54% das pessoas fazendo compras com frequência, seguido do Sul, com 52%, Sudeste com 50%, enquanto Nordeste fica com 49% e Norte com 38%.

O nível de confiança do brasileiro segue alto para compras on-line

67% das pessoas confiam em compras on-line e os eletrônicos são os bens de consumo preferidos em compras on-line   33% dos entrevistados optam por buscar ofertas em sites.

e-commerce, loja virtual. (Foto: unsplash)


Lojas brasileiras se destacam na preferência

Entre todos os entrevistados que de alguma forma fizeram ou preferem comprar produtos de origem internacional (27%), o preço é o maior motivador para optarem por eles e não por sites de lojas brasileiras. Mas 73% prefere comprar em sites de lojas brasileiras. Sim, se o produto tiver o mesmo preço nas duas lojas, o brasileiro irá optar pelo nacional. 

Qual é o gasto médio por compra?

Uma em cada três compras feitas online tem valores entre R$100 e R$500. As regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste são responsáveis por elevar o valor do gasto médio. Já o gasto médio é mais baixo em lojas chinesas, o que justifica uma das principais vantagens das compras nestes sites, o preço.

Mas com imposto, o cenário muda

O que impera entre os entrevistados é o desejo de parar de fazer compras em sites de lojas chinesas caso os projetos sofram reajustes -- devido ao aumento de impostos. A opinião é comum em todos os segmentos.

Sobre a amostragem

Participaram da pesquisa brasileiros com mais de 16 anos de todos os estados. Ao todo, foram 403 entrevistas, sendo 47,2% de homens e 52,8% de mulheres. A faixa etária ficou dividida entre 16 a 24 anos (12,2%), 25 a 34 anos (20,6%), 35 a 44 anos (20,9%), 45 a 59 anos (24,8%) e 60 anos ou mais (21,4%). 

Entre os participantes, 8,1% é do Norte; 27,3% é do Nordeste; 7,2% é do Centro-Oeste; 42,9% é do Sudeste; e 14,5% é do Sul. 

Por que importa?

Desde que a Shein desembarcou no Brasil, o varejo on-line local tem se desdobrado para a manter a concorrência e garantir relevância frente ao fast-fashion, que ganhou o coração dos brasileiros com algoritmos ágeis, peças para todos os gostos e preços extremamente chamativos. Agora, com a possibilidade de taxação, o peso no bolso do consumidor torna a compra menos atrativa. 

Com um comprador que se digitalizou e se bancarizou na pandemia, o e-commerce local pode ter muito a comemorar. Mas será que ele vai conseguir agradar os novos hábitos de compra do consumidor? 

Gostou deste conteúdo? Deixa que a gente te avisa quando surgirem assuntos relacionados!


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Leia o próximo artigo

Receba conteúdos exclusivos do AGORA

Fique por dentro das últimas novidades e tendências do mercado com nossos conteúdos exclusivos!