Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Os investidores estão de olho mesmo no ESG?

Mais de 70% deles não o faz por não saber como trazer a temática para sua realidade, segundo pesquisa do Emerging VC Fellows

Os investidores estão de olho mesmo no ESG?

Natureza (Fonte: Getty Images)

, conteúdo exclusivo

5 min

1 dez 2022

Atualizado: 12 dez 2022

O ESG (sigla em inglês para Ambiental, Social e Governança) tem influenciado a estratégia de grandes empresas e, aos poucos, cresce no ecossistema. Muitas startups inclusive já nascem com esse propósito. No entanto, no venture capital, a pauta ainda não é uma realidade para os fundos na hora de acompanhar o desempenho de suas investidas.

Segundo estudo lançado hoje (1º) pelo Emerging VC Fellows, 38% das gestoras de VC do Brasil não incorporam nenhuma métrica ESG na análise de novas oportunidades de investimentos. E quase a totalidade (mais de 70%) não o faz por não saber como trazer essa temática para dentro de sua realidade.

Dos principais motivos que levam as gestoras a investir com esse viés estão a geração de impacto socioambiental positivo (74%), as exigências por parte dos LPs (43%) e a crença de que investimentos pensados sob esse prisma têm potencial de retorno maior (35%).

Sobre a gestão do portfólio, em geral, cerca de 50% das gestoras não mede nem instrui as investidas sobre as melhores práticas ESG, mas tem a intenção de fazê-lo. Já 24% delas estabelece métricas de acompanhamento e 19% instrui as investidas, mas não define nenhuma métrica para ser acompanhada.


PRINCIPAIS DESAFIOS DO ESG

Para o Emerging VC Fellows, parte do desafio está associado ao estágio tão inicial das companhias, o que muitas vezes diminui as oportunidades de medição dentro da temática ESG, mas também abre muitas portas, já que nesse estágio inicial os investidores têm a possibilidade de guiar as empresas na direção das boas práticas. 

Outro desafio é a falta de padronização de métricas, o que abre espaço para o greenwashing (termo que faz referências a empresas que usam do marketing e reputação sustentáveis, mas cujas iniciativas não se sustentam na prática). A União Europeia inclusive já vem trabalhando em iniciativas que promovam a padronização, mas o mercado brasileiro ainda não avançou nessa agenda específica.

“Ainda vemos muitas gestoras confundindo ESG e Impacto, o que acaba afastando esse tema dos seus dia-a-dias. Às vezes os fundos pensam que não estão dentro da caixinha de Impacto e,por isso, não precisam levar a responsabilidade ambiental, social e de governança em conta” afirma Evelyne Néia, líder da iniciativa ESG do Emerging VC Fellows, em nota. 

A ideia, com o relatório, é ajudar as gestoras a entender mais e a fazer, pelo menos, o básico. “Hoje vemos que o primeiro passo é analisar quão fundo é o buraco para as gestoras. Depois, vem a importância de criar uma agenda de discussão e promoção do debate, trazendo para a indústria brasileira as melhores práticas e padrões dos fundos lá de fora, que já têm agendas mais avançadas”, acrescenta Evelyne.

O relatório completo está disponível aqui.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

O mais conceituado portal sobre startups do Brasil. Veja mais em www.startups.com.br.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo