Sobre NósPara Você
Para EmpresasConteúdos
Eventos
Game Changers

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Eventos

Jornadas de conhecimento fomentando o aprendizado dinâmico e inovador em diversos formatos e intensidades

Ver todos

Ainda não temos eventos programados. Mas estamos preparando encontros repletos de inovação para você!

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Artigos
Inovação

Os 4 setores mais promissores para uso de Inteligência Artificial no Brasil

O que antes era apenas uma tecnologia, se tornou um serviço

Os 4 setores mais promissores para uso de Inteligência Artificial no Brasil

Agrotech (foto: Getty)

Por Tainá Freitas

Logística, publicidade, indústria, varejo… São muitos os setores que estão utilizando inteligência artificial no Brasil. Essa mudança tem sido sustentada por uma crescente de ofertas – de acordo com um relatório da Distrito e KPMG, são 702 startups com este foco no país.

A inteligência artificial, que antes era apenas uma tecnologia, se tornou um serviço. Atualmente, a maioria das startups brasileiras do setor trabalham criando soluções personalizadas para cada empresa. Não há um segmento que não possa ser beneficiado, pois a AI atua em duas frentes:

Estratégia, que impacta na inteligência do negócio com análise de dados e insights.

Automação, que auxilia na execução de tarefas repetitivas antes feitas por humanos.

Embora o mercado esteja cada vez mais aberto às possibilidades dessas empresas, há setores que estão saindo na frente. Conheça alguns deles:

1 - Saúde e biotecnologia

12,5% das startups brasileiras de inteligência artificial focam em saúde e biotecnologia. A visão computacional da AI pode auxiliar, por exemplo, na análise de exames para detectar anomalias. 

Em 2018, um estudo publicado na revista científica Annals Of Oncology mostra que a AI superou médicos da França, Alemanha e Estados Unidos na detecção de imagens de câncer de pele.

No Brasil, a Onkos é uma startup que auxilia em diagnósticos incertos. A companhia une biologia molecular, assinaturas genéticas personalizadas e inteligência artificial. 

Há, ainda, espaço para empresas que atuam em outras fases da cadeia – a CogniSigns realiza triagem digital para tratamento de Transtorno do Especto Autista (TEA). Já a Mindify automatiza protocolos de pós-atendimento.

Laboratório de saúde (foto: Getty)

2 - Recursos humanos e gestão pessoal

Há – e muito – espaço para a inteligência artificial quando falamos sobre pessoas. Dentre as startups brasileiras, são 10% as que focam em recursos humanos e gestão pessoal. A Jobecam, por exemplo, torna o processo de contratação 100% digital e busca mais diversidade ao possibilitar entrevistas às cegas em vídeos.

Já a Gupy possui a própria inteligência artificial, a Gaia. Guilherme Dias, cofundador da Gupy, afirma que é possível aumentar a eficiência das contratações em até 75% quando a tecnologia é utilizada em todo seu potencial.

Em outra ponta, na atração e retenção de talentos, a Pin People usa AI para medir e melhorar a experiência dos funcionários de empresas.

3 -  Indústria 4.0

Se em um contexto a visão computacional pode ajudar em diagnósticos de saúde, na indústria essa mesma visão é útil na contagem e classificação de produtos. Essa é a solução oferecida pela Kajoo Smart Solutions, que atua desde na matéria prima até o resultado final.

Enquanto isso, a Latos é especialista em oferecer sensores para coleta de dados de processos industriais. Dentre as soluções, há a manutenção preditiva, detecção de falhas e estima de variáveis.

E para quem quer tornar indústrias mais tecnológicas, a Pollux desenvolve linhas de montagem automatizadas.

Atualmente, 9,6% das startups de AI brasileiras focam na indústria 4.0.

4 - Agricultura

Por muito tempo, a agricultura se baseou em teorias, tradições e em previsões meteorológicas pouco assertivas para saber quando choveria. Esse cenário está cada vez mais certeiro – e mais tecnológico. A Pluvi.on utiliza inteligência artificial para entender em quais regiões choverá.

Quem também entende a previsão do tempo é a Agrosmart. Mas, além disso, a agrotech monitora e analisa em tempo real como está a lavoura. Já a Agrorobótica realiza a certificação de estoque de carbono em solos e é capaz de medir até mesmo os nutrientes em folhas.

Assim como na indústria, 9,6% das empresas de AI focam na agricultura.

Agrotech (foto: Getty)

Como aplicá-la no seu negócio?

Em geral, startups de inteligência artificial têm se destacado no Brasil. Em 2020, houve o recorde de US$ 839 milhões investidos, distribuídos em 274 rodadas, de acordo com a Distrito. A expectativa é que as soluções dessa natureza continuem crescendo, nos mais variados setores.

O potencial de resultados ao utilizar inteligência artificial é grande, mas, como em toda a tecnologia, é importante lembrar que este é apenas um meio, não o fim. Ela será apenas uma ferramenta. A pergunta certa ao estudar adotar I.A é: qual o seu objetivo?

 

Quer seguir se atualizando? De olho no futuro, preparamos 4 aulas com as oportunidades tecnológicas que você precisa conhecer:


Assuntos relacionados

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo