Sobre NósPara Você
Para EmpresasConteúdos
Eventos
Game Changers

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Eventos

Jornadas de conhecimento fomentando o aprendizado dinâmico e inovador em diversos formatos e intensidades

Ver todos

Ainda não temos eventos programados. Mas estamos preparando encontros repletos de inovação para você!

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Artigos
Empreendedorismo

Facebook agora é Meta; entenda a aposta no metaverso

Saiba o que muda e fique por dentro da razão e da estratégia por trás da transformação da empresa – que vai muito além do nome

Facebook agora é Meta; entenda a aposta no metaverso

Fonte: Getty Images

6 min

29 out 2021

Atualizado: 24 nov 2022

Por Tainá Freitas

O Facebook agora é Meta. Nesta quinta-feira (28), Mark Zuckerberg, fundador da companhia, anunciou a mudança de nome e o novo objetivo do grupo: criar o metaverso.

Isso não significa que a rede social irá mudar de nome. O Facebook, WhatsApp e Instagram continuarão os mesmos. A diferença é que, agora, além de trabalhar com o que movimenta a internet no presente, a empresa também deseja criar o que acredita ser o futuro dela.

Adotar uma nova marca não é fácil – principalmente em empresas trilionárias, com serviços utilizados por bilhões de pessoas. No entanto, a mudança é simples: assim como a Alphabet é a holding do Google, a Meta será o grupo mantenedor do Facebook, Instagram e WhatsApp.  

O QUE É UM METAVERSO?

Mark Zuckerber apresenta a marca Meta (foto: reprodução)

Há quem acredite que é o futuro da internet. Na prática, é um universo virtual em que as pessoas podem interagir como se estivessem fisicamente presentes.

Com as redes sociais, as pessoas puderam criar seus próprios perfis online. Com o metaverso, chegou o momento de levar o corpo físico para dentro das telas – e os hologramas dos filmes de ficção científica começam a parecer uma ideia cada vez mais próxima.

Através da realidade virtual, a expectativa é que os usuários possam ter avatares online para interagir com outras pessoas nos mais diversos âmbitos: do trabalho ao lazer e entretenimento. Para muita gente, isso pode parecer algo distante. Mas para os jovens que convivem diariamente com jogos como Roblox, por exemplo, isso já é realidade.

“A próxima plataforma será ainda mais imersiva – uma internet que você pode experimentar, não apenas olhar para ela. Nós chamamos isso de metaverso e irá permear cada projeto que construímos. A qualidade que define o metaverso será a presença – como se você estivesse ali com outra pessoa ou em outro lugar. Sentir-se verdadeiramente presente com outra pessoa é o maior sonho da tecnologia social. É por isso que estamos focados em construir isso”, afirmou Zuckerberg no anúncio.

 

Mark Zuckerber demonstra uso do VR (foto: divulgação)

A APOSTA DO FACEBOOK

A mudança de nome não é o único sinal do grande comprometimento do Facebook ao metaverso (eu começarei a chamar a empresa de Meta em algum momento deste artigo, prepare-se!). A companhia está utilizando a receita de hoje para investir no que espera dar lucro no futuro.

Recentemente, o Facebook afirmou que o lucro operacional de 2021 poderá cair em US$ 10 bilhões devido ao investimento na divisão de metaverso. Além disso, anunciou a contratação de 10 mil profissionais na Europa, junto ao aporte de US$ 50 milhões no setor.

INTEGRANDO ONLINE E OFFLINE

Oculus Quest 2 (foto: divugação)

O Facebook tem apostado na integração entre o mundo virtual e offline há algum tempo. Em 2014, a empresa adquiriu a Oculus Rift, companhia especializada em óculos de realidade virtual.

Desde então, ela está dedicada a criar espaços online para trabalho e diversão. Para quem deseja participar, a empresa possui o Oculus Quest 2 à venda – um óculos de realidade virtual que se torna a porta de entrada para esse novo mundo. O óculos ainda não está disponível no Brasil.

NOVAS FUNCIONALIDADES

No mesmo evento em que anunciou a mudança de nome, a empresa anunciou o Horizon Home – uma atualização de seu serviço de realidade virtual. Agora, os usuários poderão criar festas para curtir com os amigos, através do Oculus Quest 2.

Na festa online, será possível utilizar outros aplicativos, jogar, assistir vídeos, entre outros. As conversas poderão ser realizadas através do Messenger, serviço de mensageria do Facebook.

Experiência virtual de show com o VR do Meta (foto: divulgação)

As novidades também estão chegando ao espaço de trabalho. Em breve, os usuários poderão fazer login no Oculus através de uma conta corporativa e usar o Slack, Dropbox e outros serviços em um painel de 2D na Horizon Home.

Dentro da Horizon Home também será possível criar salas de trabalho e personalizá-las com o logo e identidade visual das empresas.

PARCERIA COM A RAY-BAN

Para quem deseja uma integração mais sutil, há uma outra alternativa: os óculos inteligentes que a empresa lançou este ano, em parceria com a Ray-Ban. O dispositivo permite que os usuários possam tirar fotos e gravar vídeos a partir de seu ponto de vista, ouvir música, fazer ligações, entre outros.

Óculos da Ray-Ban feito em parceria com o Facebook (foto: divulgação)

O MUNDO VIRTUAL JÁ É REAL

Marcas de luxo da indústria da moda já apostam em roupas virtuais. A Gucci, por exemplo, já lançou um tênis virtual de US$ 12. Já a Louis Vuitton vestiu personagens do jogo League Of Legends com roupas que existem “de verdade”.

Nicolas Ghesquère, diretor artístico de coleções femininas, criou roupas virtuais para serem vendidas para jogadores do LOL, jogo eletrônico da Riot Games.

Pense em quantas coisas físicas que você possui hoje que podem ser apenas hologramas no futuro. Sua TV, seu setup perfeito de trabalho com múltiplos monitores, seus jogos de tabuleiro e mais – ao invés de coisas físicas feitas em fábricas, elas serão hologramas criados por criadores ao redor do mundo”, promete Mark Zuckerberg.

No anúncio, há uma menção até mesmo para o mundo cripto e o NFT. O metaverso corrobora ainda mais com os tokens não-fungíveis. Artistas têm criado obras em NFT; algumas delas existem no “mundo físico”, outras apenas no mundo virtual – e o que os usuários compram é a propriedade delas.

Os NFTs têm se popularizado também em jogos, inclusive como forma de investimento, a exemplo do Axie Infinity. Entenda o que são e como funcionam os NFTs.

QUANDO O METAVERSO SERÁ UMA REALIDADE?

As iniciativas anunciadas pela Meta são apenas o início desta transformação. A expectativa da companhia é que o metaverso seja uma realidade em dez ou quinze anos. 

“Nós precisamos envolver os direitos humanos e as comunidades de direitos civis desde o início para garantir que essas tecnologias sejam construídas de forma inclusiva e empoderadora”, descreve no anúncio. A privacidade e a segurança são outros pontos que a empresa busca priorizar desde o início.

QUEM VAI EMBARCAR NESSA?

Em todas as comunicações, a Meta reforçou que o metaverso não será construído sozinho. O universo que unirá o mundo virtual e físico também será construído com a colaboração de outras empresas e da sociedade em geral.

A Microsoft lançou, recentemente, o Microsoft Mesh, em que busca viabilizar que reuniões sejam feitas através de hologramas. 

Já a Epic Games, criadora do jogo Fortnite, levantou US$ 1 bilhão para investir em metaverso. A companhia já realizou shows virtuais com artistas reais, como Travis Scott e Ariana Grande, no jogo – e os avatares dos espectadores foram o público.

Enquanto isso, a Roblox, plataforma aberta para jogos, quer possibilitar que os usuários se comuniquem e construam seus próprios metaversos. Que aguardemos as cenas dos próximos capítulos...

O Planejamento Estratégico Tradicional se tornou um mecanismo "ingênuo" para acompanhar o ritmo da Nova Economia. Conheça o programa S4D - Strategy for Disruption e veja o inédito Planejamento Estratégico 4D StartSe, único no mundo e capaz de gerar Poder Competitivo e Adaptativo Real para seu negócio.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo