Sabe quem manda mesmo na Netshoes? O internauta

A Netshoes aposta no uso de tecnologia para tornar o processo de compra mais fluído

0
shares

Criada em 2000, a Netshoes nasceu como uma pequena loja física que vendia sapatos femininos e tênis. Hoje, a companhia é focada nas vendas online e reconhecida como uma das principais plataformas de comércio eletrônico de artigos esportivos da América Latina.

“A tecnologia é o core da companhia. Afinal, temos DNA digital e investimos fortemente em inovação para proporcionar sempre a melhor experiência de compra para os nossos clientes. Pois esse é nosso grande foco: o cliente no centro de tudo que fazemos e pensamos”, explicou André Petenussi, diretor de tecnologia da Netshoes.

Leia mais:

Neste processo de transformação, a empresa também recrutou profissionais de tecnologia e criou times estruturados com uma cultura ágil. Eles foram divididos em squads — grupos formados por pessoas com especialidades diferentes —, focando em áreas específicas do negócio: catálogo, marketing, SEO, busca, lojas parceiras, checkout, frete, preço, marketplace e aplicativo.

“Desenvolvemos tecnologias próprias que deixaram o processo de compra mais fluido, o que melhorou exponencialmente a experiência do consumidor”, contou Petenussi. A companhia optou por migrar grande parte da sua estrutura para a nuvem, garantindo que os processos se tornassem mais ágeis.

Os avanços garantiram a Netshoes o selo de um dos sites mais rápidos do comércio eletrônico nacional. A empresa também aposta no uso de dados e histórico de vendas para melhorar a experiência do cliente, com recomendações de produtos e uma página inicial do site baseada em preferências.

Entre as ações para se aproximar ainda mais do consumidor, a empresa criou o Full ID — serviço que permitia que os clientes criassem seus próprios uniformes. O usuário escolhia o brasão, os patrocinadores e outros itens de customização. A companhia também foi pioneira em ter um Posto Avançado dos Correios dentro do Centro de Distribuição da marca, reduzindo o tempo de entrega para o cliente.

Identificando a tendência do uso de smartphones para compras, a empresa também fez parcerias com empresas de telefonia para criar o “Navegue grátis”, oferecendo acesso gratuito ao comércio eletrônico da marca, que também controla as lojas Zattini e Shoestock, sem o consumo do plano de dados dos usuários.

Tecnologia em casa

Para evoluir ainda mais, a empresa lançou, neste ano, sua própria plataforma de comércio eletrônico, totalmente desenhada e desenvolvida dentro de casa. “Nosso time de tecnologia possui mais de 300 profissionais. A plataforma entregou lojas mais rápidas e dinâmicas, o que melhorou a personalização de acordo com os interesses de cada consumidor”, disse o executivo.

Hoje, segundo Petenussi, as vendas pelas plataformas móveis das lojas do grupo representam 58% do total. “É um número expressivo e que tende a ser cada vez mais representativo devido à transformação digital, que democratizou o acesso à internet”, ressaltou.

A companhia também tem um programa destinado a descobrir novos talentos — o TechTalents — além de um canal colaborativo, que divulga as novidades da área de tecnologia e a forma como os funcionários trabalham na empresa. “Somos inconformados por natureza e isso nos move sempre para frente. Por isso, estamos constantemente atentos às necessidades de nossos clientes para evoluir os nossos serviços”, afirmou Petenussi.

Especial Varejo do Futuro

Comentários

Mais em Nova Economia