Aposta da Microsoft em nuvem pode fazê-la alcançar a marca de US$ 1 trilhão

De uns tempos para cá, a gigante ameaça mudar totalmente seu core business, uma vez que tem apostado cada vez mais no serviço de computação em nuvem

0
shares

Já acabaram os tempos em que a Microsoft era uma empresa somente de softwares para computador. De uns tempos para cá, a gigante ameaça mudar totalmente seu core business, uma vez que tem apostado cada vez mais no serviço de computação em nuvem. Se conseguir ser bem sucedida nessa transformação, a empresa poderá ver um grande impulso em suas fortunas. Enquanto os investidores aguardam o último relatório de progresso da Microsoft, as expectativas estão altas.

O serviço de computação em nuvem Azure da Microsoft está crescendo, os clientes estão migrando rapidamente para as versões baseadas em nuvem de seu software Office, e seu serviço no LinkedIn tem atraído muitas novas assinaturas pagas de usuários corporativos. Some tudo isso, dizem os analistas, e a empresa está começando a se parecer mais com uma startup em rápido crescimento do que uma gigantesca empresa - e deve ser valorizada como tal.

"A história da nuvem na (Microsoft) não está mostrando sinais de diminuir", disse o analista financeiro da Wedbush, Daniel Ives, em um relatório de pesquisa nesta terça-feira. "Essas dinâmicas devem transformar ainda mais (a empresa) em um gigante das nuvens nos próximos anos".

Os analistas esperam que a empresa reafirme sua fé hoje, ao divulgar seus resultados do primeiro trimestre fiscal. Em média, Wall Street espera que a Microsoft publique um lucro de 95 centavos por ação, com vendas de US$ 27,92 bilhões. No mesmo período do ano passado, a empresa faturou US $ 6,6 bilhões, ou 84 centavos por ação, com vendas de US$ 24,54 bilhões.

Sem dúvida, a Microsoft está passando por uma transição, se afastando da venda periódica de licenças de clientes para software e enfatizando nas assinaturas.

Analistas esperam que a Microsoft alcance a marca de trilhões de dólares

Por causa dessa dinâmica, as estimativas dos analistas subestimam o rápido crescimento e sucesso dos negócios baseados em nuvem da empresa. No ano passado, por exemplo, a receita da Azure cresceu 91%, enquanto as vendas do LinkedIn aumentaram 77%.

Pesquisas recentes feitas por analistas de clientes e parceiros de vendas da Microsoft sugerem que a empresa viu um crescimento similar em seus negócios baseados em nuvem no trimestre mais recente. Os gastos com tecnologia das grandes corporações e do governo - que representam alguns dos clientes mais importantes da Microsoft - continuam fortes, disse Brad Zelnick, analista financeiro do Credit Suisse, em um relatório nesta semana. "Esperamos que a demanda sólida das empresas impulsione o forte crescimento da nuvem comercial", disse Zelnick.

No curto prazo, esse crescimento deve impulsionar a capitalização de mercado da Microsoft. Tanto Ives quanto Weiss estão prevendo que a empresa em breve se juntará à Apple como as únicas empresas com uma avaliação de mercado atual de pelo menos US$ 1 trilhão.

Embora os analistas esperem que as taxas de crescimento dos negócios baseados em nuvem da Microsoft diminuam ao longo do tempo, eles estão otimistas de que a nuvem continuará a impulsionar as fortunas da Microsoft nos próximos anos. O analista do Morgan Stanley, Keith Weiss, por exemplo, está projetando que a receita do Microsoft Azure crescerá a uma taxa anual composta de 59% do ano fiscal passado ao ano fiscal de 2021. Weiss projeta as vendas da versão em nuvem de seu pacote Office voltada para usuários comerciais em 27% no mesmo período de tempo.

Essas taxas de crescimento continuarão a impulsionar toda a empresa, disse Weiss em um relatório recente. "Prevemos um crescimento relativamente durável nos próximos três anos, sustentado em grande parte devido a uma mudança para negócios de crescimento mais rápido", disse ele.

Fonte: Business Insider

Atualize-se em apenas 5 minutos


Receba diariamente nossas análises e sinta-se preparado para tomar as melhores decisões no seu dia a dia gratuitamente.

Comentários