Uma das 10 melhores professoras do mundo, Débora Garofalo usa robótica em aula

Débora Garofalo está entre os concorrentes do “Nobel da Educação” e promoveu palestra na EdTech Conference 2019

0
shares

Nesta quarta-feira (20), foram anunciados os dez indicados ao Global Teacher Prize, considerado o “Nobel da Educação”. Na lista está a brasileira Débora Garofalo, que criou o projeto “Robótica com sucata promovendo a sustentabilidade” em uma escola na periferia de São Paulo. Na quinta-feira (21), ela falou sobre a iniciativa na EdTech Conference 2019.

Desde 2016, Débora leva seus alunos para as ruas do bairro – onde falta saneamento básico e coleta de lixo – e faz um trabalho de separação dos materiais. “Os arredores da escola tinham muito acúmulo de lixo”, conta Débora. “Isso gera diversos problemas de saúde nas crianças”.

Com o material coletado, a professora e seus alunos criam diversos tipos de robôs e máquinas, a partir do aprendizado de robótica, mecânica e programação. O resultado é um trabalho multidisciplinar e de impacto social. Os robôs são apresentados pelos alunos em grandes exposições como a Bienal do Ibirapuera. “Não imaginava o impacto que este projeto poderia ter nas crianças”, revela Débora Garofalo.

“Um pote de suco vira um helicóptero. Pedaços de papelão se tornam uma máquina de refrigerante. As crianças provam, com essas e tantas outras criações, que a escola pode ser um local para gerar soluções de problemas reais”, explica a professora.

O projeto também tem um lado educativo para a comunidade como um todo. Os estudantes andam pelas ruas do bairro conversando com as pessoas sobre a importância do uso consciente do lixo. Assim, tornam-se não apenas alunos, mas também atores sociais e referência para outros.

Resultados

“Ser mulher, ser professora de escola pública, dar aula para duas mil crianças e ter seu trabalho reconhecido internacionalmente é muita coisa. É a certeza de que a gente pode transformar vidas através da educação”, diz Débora, emocionada.

O resultado do projeto se dá em números. Na escola em que Débora trabalha, diminuiu 93% a taxa de evasão dos alunos. Houve também redução de 93% da taxa de trabalho infantil dos estudantes. Além disso, ao menos uma tonelada de lixo foi retirada das ruas.

O Global Teacher Prize será anunciado no dia 24 de março, em Dubai, nos Emirados Árabes. O vencedor leva um prêmio de US$ 1 milhão. Débora Garofalo é a única sul-americana entre os dez finalistas da premiação.

Atualize-se em apenas 5 minutos


Receba diariamente nossas análises e sinta-se preparado para tomar as melhores decisões no seu dia a dia gratuitamente.

Comentários