A Teoria da Barsa e o futuro da Educação

Qual o papel da mais famosa Enciclopédia do mundo na era do YouTube?

0
shares

Durante muito tempo, a coleção da enciclopédia Barsa era exibida nas estantes das casas de muitas pessoas. Era um claro sinal de cultura, de apreço pela leitura e pelo conhecimento.

Os “vendedores de Barsa” rodavam o Brasil inteiro, levando conhecimento aos mais distantes lugares. Comprar a coleção completa de 18 volumes e 10 mil páginas era sinal claro de boa condição financeira e de preocupação com os estudos dos filhos.

Comprar a Barsa era quase um investimento. Era algo que se passava de pai para filho, fonte de pesquisa para alunos e professores. Era a expressão máxima do acesso ao conhecimento.

Barsa representa muito bem o que foi a evolução da educação. Uma coletânea de livros, passada de geração para geração, como fonte máxima do conhecimento a nível escolar.

Aquela informação, estática, imutável, permanecia para sempre como fonte de pesquisa e conhecimento.

Hoje, em apenas 60 segundos:

  • são feitas 3,5 milhões de pesquisas no Google;
  • no YouTube, 4,1 milhões de vídeos são acessados;
  • 16 milhões de mensagens de texto são enviadas; e
  • 70 mil horas de vídeos são transmitidas no Netflix.

Temos um mundo em constante movimento, repleto de troca de informações e com geração de conteúdo infinita.

Segundo o educador americano Jonathan Bergman, praticamente tudo que alguém ensina, ou aprende, já está disponível no YouTube. Sem qualquer custo.

Na última década, mudamos a maneira de nos comunicar, de transporte, de viajar, assistir a filmes, de ouvir música e de ler notícias e livros.

Todos mudaram e a educação não mudou. Continuamos no mesmo modelo educacional que fez da Barsa um ícone do conhecimento.

A Barsa já não existe mais, mas ainda continuamos presos a um modelo de escola criado há mais de 200 anos.

As crianças e jovens de hoje são expostos a uma quantidade enorme de informação desde muito cedo.

E, diferente da Barsa, não é uma informação estática; é algo vivo, que se modifica e se transforma, com diversos pontos de vistainterpretações contrapontos.

A educação tradicional, assim como a Barsa, cumpriu seu papel até aqui. Mas é hora de começarmos a explorar mais as habilidades dos indivíduos, em vez de formar alunos em linha de produção.

Precisamos de mais contexto e menos controle. Precisamos de mais aprendizagem e menos ensino.

E as novas tecnologias, surgidas nas últimas décadas, abrem as portas para isso. A Inteligência Artificial já nos ajuda a criar trilhas individualizadas de aprendizagem.

A realidade virtual torna palpável aquilo que antes era expresso apenas por palavras. As plataformas de vídeo levam conteúdo de qualidade para qualquer pessoa, de qualquer lugar do mundo.

A tecnologia democratizou o conhecimento. Tornou barato o que era caro e pouco acessível. Nos deu a chance de aprender – como a Barsa fazia – e nos permitiu desaprender e reaprender diversas vezes, coisa que as 10 mil páginas impressas da Barsa jamais fariam.

Um forte abraço,

Junior Borneli — Fundador da StartSe 

Receba minha newsletter

Carregando...

Comentários